KLM inicia voos com o Embraer E2, que irá substituir o Boeing 737-700

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A KLM já está voando com o novo jato brasileiro Embraer E195 E2, aeronave que terá um papel importante na empresa, substituindo, inclusive, aviões maiores.

O primeiro voo do modelo foi realizado nesta semana entre Amsterdã e Varsóvia, como adiantamos numa entrevista exclusiva com o CEO da KLM Cityhopper, subsidiária regional da aérea holandesa e responsável por operar todos os Embraer da frota.

A empresa já recebeu dois aviões do modelo e pretende chegar a seis unidades até o verão europeu, que começa em junho. A aeronave irá complementar a operação do E175-E1 e do E190-E1, que estão sendo essenciais para a KLM recuperar a demanda na crise, por serem aviões menores e se encaixarem em diversas rotas.

A outra novidade é sobre o Boeing 737-700, que até então não tinha um substituto oficial, assim como os “irmãos maiores” 737-800 e 737-900, já que a KLM, assim como a Air France, ainda não optou pela renovação da frota de corredor único, mantendo a geração mais antiga do 737 e do Airbus A320.

Boeing 737-700 da KLM pousa em Amsterdã

Mas o 737-700 já estava com os dias contados, e antes da Pandemia seria substituído pelo maior 737-800. Com o coronavírus, os planos mudaram e agora o E195-E2 irá entrar no seu lugar.

O E195-E2 leva a mesma quantidade de passageiros do 737-700, com 132 assentos. No passado, a KLM já tinha afirmado que o -700 tinha uma performance econômica ruim, levando bem menos passageiros que o -800.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Governo Dória publica edital de concessão para 22 aeroportos regionais paulistas

0
O Governo de SP lança o edital de concorrência internacional para leilão da concessão dos 22 aeroportos regionais, atualmente administrados