Lançada aliança mundial contra táxi aéreo clandestino, incluindo a brasileira ABAG

Avião Jato Executivo Dassault Falcon 900B
Imagem: Monaam Ben Fredj / CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Um grupo global de organizações líderes da aviação executiva, incluindo a ABAG (Associação Brasileira de Aviação Geral), anuncia hoje, 16 de dezembro, um esforço coordenado para combater os voos charter sob demanda no setor, também conhecidos como “táxis aéreos” no Brasil, que são executados de forma ilegal.

O grupo, denominado Air Charter Safety Alliance, aumentará a conscientização entre clientes em potencial, corretores de fretamento, ministérios dos transportes e autoridades de aviação nacionais em relação ao uso de operadores de aeronaves não autorizados para voos sob demanda.

Fazem parte desta coalizão, além da ABAG:
– Air Charter Association (ACA);
– African Business Aviation Association (AfBAA);
– Asian Business Aviation Association (AsBAA);
– Business Aircraft Operators Association (BAOA);
– British Business & General Aviation Association (BBGA);
– European Business Aviation Association (EBAA);
– French Business Aviation Association (EBAA France);
-International Business Aviation Council (IBAC);
– Middle East & North Africa Business Aviation Association (MEBAA);
– National Air Transportation Association (NATA); e
– National Business Aviation Association (NBAA).

Embora a esmagadora maioria dos voos de táxi aéreo cumpram os padrões de segurança nacionais e internacionais, há recorrentes casos de operadores de aeronaves não autorizados evitando ativamente a supervisão da autoridade da aviação, colocando em risco a segurança de passageiros involuntários e prejudicando a saúde econômica dos operadores charter aprovados.

No passado, várias associações trabalharam ativamente na redução de atividades ilegais, criando sites dedicados a educar e envolver os proprietários de aeronaves e as autoridades nacionais sobre o cumprimento adequado dos regulamentos de fretamento. Agora, nos próximos três meses, a coalizão espera coletar as melhores práticas das várias associações, criar uma plataforma online e iniciar uma campanha educacional online para conscientizar as principais partes interessadas sobre os perigos da carta ilegal.

A coalizão desenvolverá e promoverá vários programas de segurança que auxiliem os operadores de fretamento sob demanda enquanto continuam a melhorar seu já impressionante desempenho de segurança.

Programas liderados pela indústria com foco em Sistemas de Gestão de Segurança, registro de dados de voo e relatórios de segurança, juntamente com o foco na cultura de segurança, ajudarão a agregar mais valor aos operadores de fretamento aprovados pelo estado. Criar clientes mais exigentes, além dos esforços que ajudarão a identificar licenças ilegais, esperançosamente dissuadirá aqueles que procuram comprometer a segurança para obter lucro.

Kurt Edwards, Diretor Geral do IBAC, disse: “A Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) estabeleceu obrigações e orientações sobre a regulamentação do transporte aéreo internacional, bem como normas e práticas recomendadas para a segurança e proteção do transporte aéreo comercial e não comercial. Estes constituem a base harmonizada para as atividades legais de fretamento aéreo internacional. Temos o prazer de trabalhar com as associações membros do IBAC para aumentar a conscientização entre as autoridades nacionais e as populações de clientes desta estrutura internacional para reduzir ainda mais a ocorrência de operações charter incompatíveis com a estrutura.”

Robert Baltus, COO da EBAA, afirmou: “A aviação executiva é conhecida como o meio de transporte mais flexível, utilizando os mais elevados padrões de segurança, e a EBAA e os nossos parceiros pretendem garantir que o público que viaja possa continuar a confiar na nossa indústria.”

Dave Edwards, CEO da ACA, declarou: “Fretamento ilegal vai contra tudo que nosso setor trabalha duro para oferecer – aumenta o risco para os passageiros, prejudica a reputação da nossa indústria e impacta carreiras e negócios. Trabalhando em conjunto com nossas associações parceiras em todo o mundo, pretendemos proteger a comunidade de fretamento aéreo e educar os passageiros, pilotos e proprietários de aeronaves sobre as graves consequências do fretamento ilegal.”

O Diretor Geral e CEO da ABAG, Flavio Pires, disse: “A ABAG apoia totalmente qualquer iniciativa de combate ao fretamento ilegal! É uma preocupação crescente em todo o mundo! As autoridades e as comunidades da indústria da aviação civil devem estar juntas no combate aos riscos representados por esquemas de fretamento ilegal. Os proprietários de aeronaves e clientes devem compreender, além das consequências fiscais, a responsabilidade significativa, uma vez que podem não atender aos padrões mais elevados de treinamento e experiência adequados de pilotos, requisitos adicionais de programas de manutenção, cobertura de seguro do tamanho certo e controle operacional definido de um operador de fretamento aéreo certificado pelo regulamento 135.”

A coalizão estará empenhada em manter os mais altos padrões de segurança da indústria da aviação executiva e códigos de melhores práticas para passageiros e tripulações. A coalizão espera se envolver e educar os reguladores, a indústria e o público, em todos os níveis, sobre os riscos dessas atividades fraudulentas.

Informações da Air Charter Safety Alliance

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Pesquisa aponta a GOL como uma das piores para os passageiros...

0
A pesquisa analisou fatores como atendimento dos colaboradores, refeições serviços, conforto a bordo e entretenimento a bordo.