Lançado mais um projeto de conversão em cargueiro do Boeing 777

A conversão de aviões de passageiros para carga segue a todo vapor e o Boeing 777 ganha fôlego com isso. Recentemente, uma empresa passou a disponibilizar mais um programa de conversão da grande aeronave.

Divulgação – Mammoth

A americana Mammoth Freighters, fundada pelos ex-funcionários da Boeing Bill Wagner e Bill Tarpley, anunciou que está entrando no negócio de conversão de aeronaves Boeing 777 de passageiros para carga. A empresa é baseada em Orlando, na Flórida, e foi criada especialmente para este projeto de conversão, sendo que será a primeira do mundo a utilizar o 777-200LR neste processo.

O 777-200LR (Long Range) é a versão de maior alcance do 777 de primeira geração, e inclusive bateu um recorde mundial ao voar por 22 horas e 43 minutos de Hong Kong para Londres sem escalas passando pela América do Norte.

Esta versão serviu de base para o 777F, que é o jato que já vem de fábrica pronto para cargas, e é um sucesso de vendas. Agora, a versão -200LRMF (Long Range Mammoth Freighter) será oferecida com carga útil 3 toneladas a mais do que o 777F, levando até 105 toneladas. A perda, porém, acontece no volume, mas é pequena, de apenas 3 m³.

Um avião que foi da Delta Air Lines já foi adquirido e está fazendo os primeiros testes em voo antes da conversão. A meta é começar o processo de conversão na metade do ano que vem, visando ter a modificação especial aprovada pela FAA até 2023.

Por sua vez, está nos planos da empresa a conversão do 777-300ER também, mas esse deve ocorrer posteriormente.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Mammoth Freighters

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Motor PW P&W GTF PW1100G

Nova ferramenta identifica fenômeno antes que ele destrua o motor do...

0
Motores de combustão, como os de aeronaves, permanecem sob risco de danos catastróficos por um fenômeno chamado "oscilações de combustão".