LATAM fala em demitir 1.200 tripulantes se salários não forem reduzidos

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A LATAM afirma que, para manter a sustentabilidade de seu negócio no Brasil, precisa reduzir 20% dos salários dos tripulantes ou demitir 1.200 deles.

A informação foi revelada pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), em LIVE feita na noite de ontem (23/09), dando detalhes da audiência de mediação entre a empresa e o SNA feita no Tribunal Superior do Trabalho.

A empresa cita que existe hoje um excedente de 800 comissários e 400 pilotos para as operações planejadas, tornando-se insustentável a continuidade do negócio sem a alteração da folha de pagamentos, seja pela redução de 20% nos salários, seja pelo corte do excedente.

Dentre os motivos para essa posição estão a grave situação financeira da empresa causada pela Pandemia do Coronavírus e também o code-share com a Azul, que diminui a demanda de trabalho por parte dos tripulantes da LATAM, segundo a empresa afirma nos autos.

A LATAM disse que foi procurada por um grande número de tripulantes para negociar estas reduções, que podem incluir mudanças de benefícios, alterações na garantia de estabilidade, entre outros.

Porém, a empresa não cita especificamente qual seria a proposta para redução, enquanto que uma redução permanente salarial (salário base) não é permitida por lei. Por fim, a LATAM pede que o SNA lidere este grupo de tripulantes para continuar as negociações.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Maior operadora de Jumbos do planeta tira do deserto seu último...

0
O último dos aviões 747-400F da Atlas que ainda estava estocado em condições operacionais voltou a voar neste mês.