Lista negra da União Europeia só cresce e agora inclui companhias aéreas armênias

No último dia 2 de junho, a já extensa lista da União Europeia (UE) de empresas aéreas proibidas de voar para países membros do bloco europeu aumentou ainda mais com a inclusão de todas as companhias aéreas da Armênia.

Avião Boeing 737-500 Aircompany Armenia.
Boeing 737-505 da Aircompany Armenia. Foto de Papas Dos via Wikimedia Commons.

A denominada Lista de Segurança Aérea da União Europeia, relaciona as companhias aéreas que estão sujeitas a proibição de operação ou restrições operacionais parciais no bloco, uma vez que não atendem aos padrões mínimos de segurança.

A Comissão tem por objetivo garantir o mais alto nível de segurança aérea para todos os passageiros que viajam no bloco europeu.

Assim, após a atualização, todas as companhias aéreas certificadas na Armênia foram adicionadas à lista, após, segundo a Comissão Europeia, uma avaliação aprofundada das capacidades de fiscalização de segurança do país. A decisão foi tomada após a realização de auditorias na Autoridade de Aviação Civil da Armênia (CAC) e em seis companhias aéreas do país.

A Comissária da UE para Transporte, Adina Vălean, declarou no comunicado à imprensa: “a Lista de Segurança Aérea da UE deve ser usada como um instrumento que ajuda as companhias aéreas e os países listados a reavaliar e melhorar seus padrões de voo”.

“A decisão de incluir as transportadoras armênias na lista foi tomada com base no parecer unânime do Comitê de Segurança Aérea. A Comissão, com a assistência da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA), está pronta para cooperar e investir na Armênia para melhorar sua segurança na aviação”, acrescentou Adina.

As empresas armênias banidas desde 2 de junho pela União Europeia são as seguintes: Aircompany Armenia, Armenia Airways, Armenian Helicopters, Atlantis Armenian Airlines, Atlantis European Airways, Mars Asia e Skyball.

Com a divulgação da lista, constam como banidas pela União Europeia um total de 96 companhias aéreas:

  • 90 companhias aéreas certificadas em 16 estados, devido à inadequada supervisão da segurança pelas autoridades aeronáuticas locais;
  • 6 companhias aéreas individuais, com base em sérias deficiências de segurança identificadas: Avior Airlines (Venezuela), Blue Wing Airlines (Suriname), Iran Aseman Airlines (Irã), Iraqi Airways (Iraque), Med-View Airlines (Nigéria) e Air Zimbabwe (Zimbábue).

Além das aéreas armênias, a lista foi revisada e atualizada com a adição de novas empresas, ou retirada (por não existirem mais) de transportadoras aéreas certificadas no Congo (Brazzaville), República Democrática do Congo, Quirguistão, Líbia, Nepal e Serra Leoa.

O comunicado da União Europeia ainda reporta que três companhias aéreas estão sujeitas a restrições operacionais e só podem voar para a União Europeia com tipos específicos de aeronaves: Air Service Comores (Comores), Iran Air (Irã) e Air Koryo (Coréia do Norte).

Informações Comissão Europeia.

Rodnei Diniz
Engenheiro aeronáutico e mecânico, atuante em gestão de manutenção aeronáutica, aviação geral, executiva e comercial. Atento aos detalhes, gosta de ler e escrever sobre a história da aviação.

Veja outras histórias

Passageira é contida com arma de choque em voo após falta...

0
Um voo da Spirit Airlines teve momentos de tensão e eletrizantes quando uma passageira precisou ser contida após não usar máscara.