Início Indústria Aeronáutica Livro infantil “Max: o avião que não podia voar”, está entre os...

Livro infantil “Max: o avião que não podia voar”, está entre os mais vendidos da Amazon

Durante uma navegação desinteressada pelo site na Amazon, tivemos uma surpresa. Por pura ironia do destino (ou não), uma editora americana lançou o livro infantil “Max: o avião que não podia voar”. A história se assemelha à do “Patinho Feio” e o autor possivelmente usou o 737 Max como referência, embora não seja possível afirmar isso com toda a certeza.

MAX

Na história, a personagem Max é um avião um pouco diferente dos seus amigos, já que ele tem dificuldade para voar. Assim como no conto de fadas “O Patinho Feio”, de Hans Christian Andersen, o jovem avião se destaca por uma necessidade especial e acaba sendo excluído do meio.

Com ajuda de seu pai, um avião mais experiente, e alguns amigos, ele consegue superar suas dificuldades e finalmente voa, chegando no ápice da trama e dando uma bela lição de amizade e superação às crianças que o leem, além de ensinar.

O livro pode ser encontrado na Amazon e custa apenas US$9,88 na versão impressa ou US$4,15 no Kindle, e é destinado a crianças de três a sete anos. Ele foi publicado pela editora independente JPV Publishing em junho deste ano, quando o Boeing já não podia voar – por isso, acreditamos que o nome foi proposital.

Um fato interessante é que o livro está entre os 20 mais vendidos na Amazon, na categoria “Livros de Aviação para Crianças”. Seria coincidência?

Um conto adorável

Segundo Alisa Roberts, que comprou o livro na Amazon, a história “é adorável, explica como o aeroporto e os aviões funcionam. Ajuda a tirar o medo que algumas crianças têm de voar.

No entanto, o mais importante é a mensagem por trás do livro: algumas pessoas nascem com deficiências que precisam ser superadas, e às vezes precisamos ajudá-los a conseguir seus objetivos. É um excelente livro para crianças, especialmente para aquelas que têm dificuldade em alguma área”.

Com uma história tão especial, o livro poderia passar despercebido para uma pessoa comum, porém, para quem acompanha a aviação todos os dias, o nome da personagem principal torna-se algo pitoresco.

Apesar de o autor ter usado o nome Max e, eventualmente, ter feito referência ao 737 Max, também é necessário lembrar que o nome Max é muito comum nos Estados Unidos, bem como é fácil para as crianças pronunciarem.

Xarás

Boeing 737 MAX 7. Imagem: Divulgação / Boeing.

A Boeing utilizou as três letras de Maximize, ou maximizar em inglês, para criar o acrônimo MAX. Isto porque o objetivo, ao fim, era o de maximizar o potencial do jato comercial mais bem-sucedido de todos os tempos, e cujo primeiro projeto do 737 é datado de 1967.

Para este processo de maximização, a Boeing introduziu novos motores, bem maiores que qualquer um das gerações anteriores, e um novo sistema de trem de pouso, além de novos componentes na fuselagem, “software”, aviônica e novidades aerodinâmicas.

Mas nem tudo ocorreu conforme a Boeing imaginava e um defeito no sistema MCAS, que controlava o avião para assemelhar sua pilotagem à geração anterior do 737, acabou por resultar em duas fatalidades, levando todos os aviões do modelo a ficarem no chão, desde março de 2019, até hoje.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A