LOT buscará 20 novos aviões para reforçar a Condor; Boeing 787 está no páreo

Após anunciar a compra da alemã Condor, a polonesa LOT pretende aumentar a frota da empresa com novos jatos de longo alcance.

787 Condor
Boeing 787 da Condor no simulador Prepar3D

A informação foi divulgada pelo jornal polonês Pasazer em uma entrevista feita após o anúncio da compra da Condor pelo grupo que controla a LOT. Sem detalhar muito, o CEO da LOT, Rafał Milczarsk, afirmou que o grupo irá comprar 30 novos jatos de longo alcance, sendo 10 para a própria LOT e 20 para a Condor.

A LOT tem tido um crescimento expressivo nos últimos anos após uma reestruturação, e inclusive tem sondado o aluguel de alguns Boeing 777-200ER que pertenciam à Singapore Airlines para abrir novas rotas da Hungria e Polônia para São Francisco e Washington. Atualmente, a empresa já utiliza alguns Airbus A340-300 da Air Belgium para suas rotas de Varsóvia para Nova Iorque, Newark e Toronto.

Com a entrada na Condor, que já tem aviões relativamente antigos, como o Boeing 757 e 767-300ER, parece ser um ótimo momento para fazer uma encomenda conjunta e maior, logo, conseguindo melhores descontos.

De Boeing para Boeing, de Embraer para Boeing?

Embraer E-Jet E195 LOT Polish
Embraer 195 da LOT – Imagem: Jacek Bonczek / LOT

A LOT já opera uma frota a jato totalmente composta por Boeing: são 68 aviões na frota da empresa polonesa que vão do 737-400 até o 737-800, 737 MAX 8; os 787-8 e 787-9 e toda a família dos E-Jets de primeira geração da Embraer – é a única empresa a operar todos os modelos dos aviões brasileiros.

Os 787 Dreamliner substituiriam os antigos 767 da empresa, que foram por anos seu workhorse dos voos intercontinentais. A tendência é a mesma para a Condor, que opera 31 jatos da família 757/767 e apenas um Airbus A330.

Segundo Rafał, a idéia do grupo é unificar a frota da empresa e, inclusive, fazer treinamento conjunto dos pilotos, que poderiam trabalhar nas duas companhias, caso necessário.

Não está claro se a LOT pretende colocar a Condor na aliança Star Alliance. Para isso, precisaria do aval da também alemã, concorrente e fundadora da Condor: a Lufthansa. Outro ponto sobre a entrada na aliança seria a mudança radical no serviço e padrões da companhia recém-comprada, que hoje é focada no passageiro de turismo e, segundo Rafał, continuará sendo assim.

O primeiro passo será a integração da Condor ao grupo da LOT, e depois a entrada da aérea alemã no mercado polonês e húngaro. O nome Condor será mantido devido ao apelo e popularidade, mas não está certo se a identidade visual amarela com o pássaro será mantida.

O martelo para a compra ainda não foi batido, mas o Boeing 787 Dreamliner é o principal candidato. A Airbus certamente irá oferecer o A330neo ou A350, juntamente com o regional A220 para substituir a grande frota de E-Jets da LOT.

Cabe agora à Boeing Brasil incluir os E2 numa boa oferta conjunta com os jatos maiores da Boeing, tendo num pacote só aviões para voos intercontinentais e intra-europeus.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Vídeos mostram caça Gripen da FAB em testes de solo em...

0
O caça SAAB Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB) já tem sido gravado efetuando testes de motor e de taxiamento (deslocamento em solo) em Navegantes.