Lufthansa Cargo firma parceria para usar o “combustível do futuro” em seus voos

Imagem: Lufthansa Cargo

As duas empresas Kuehne+Nagel e a Lufthansa Cargo anunciaram ontem, 4 de outubro, que firmaram uma parceria exclusiva para a promoção e uso de combustível “power-to-liquid” (combustível produzido sinteticamente) para aviação.

Os prestadores de serviços de logística se comprometeram em apoiar o primeiro local de produção mundial de óleo cru sintético em Werlte/Emsland, na Alemanha, comprando o equivalente a 20 toneladas, ou 25.000 litros, anualmente. O combustível sintético com base neste óleo é considerado o combustível do futuro, o que deve reduzir ainda mais a pegada de CO2 dos motores de aeronaves.

“Na pesquisa e no uso de combustíveis sintéticos e sustentáveis ​​para aviação, vemos claramente a chave para uma redução sustentável de nossas emissões em operações de voo. O fato de sermos pioneiros na tecnologia power-to-liquid juntamente com a Kuehne+Nagel nos deixa particularmente orgulhosos e mostra mais uma vez que estamos enfrentando ativamente nossos desafios de proteção climática”, explicou Dorothea von Boxberg, CEO da Lufthansa Cargo.

Combustíveis neutros em CO2 ou Combustíveis de Aviação Sustentáveis ​​(SAF) são um pilar essencial no caminho para voos neutros em CO2. Esses combustíveis podem ser produzidos de várias maneiras. Até agora, a Lufthansa Cargo e a Kuehne+Nagel usaram Combustíveis de Aviação Sustentáveis ​​de origem biogênica, ou seja, parafina sintética à base de óleos de cozinha usados, por exemplo.

No caso da parafina sintética, também conhecida como combustível power-to-liquid (PTL), o petróleo bruto sintético é produzido a partir da geração regenerativa de eletricidade, água e CO2. Por causa desse processo, o combustível de aviação baseado em PTL é considerado neutro em relação ao CO2.

O ciclo de produção do combustível sintetizado a partir de eletricidade, água e CO2

Estes combustíveis produzidos com eletricidades ainda estão em fase de desenvolvimento para a produção em escala industrial, mas já são considerados uma alternativa de longo prazo à parafina convencional ou aos SAF biogênicos, pois teoricamente serão produzidos sem limites de disponibilidade.

A Atmosfair, uma organização sem fins lucrativos para a proteção do clima com sede em Berlim, construiu sua própria fábrica para a produção do chamado “syncrude”. Syncrude é a alternativa ao petróleo bruto fóssil produzido por meio de power-to-liquid.

Fábrica da Atmosfair – Imagem: Lufthansa Cargo

Este petróleo bruto sintético é então refinado, até se tornar combustível Jet A1 pronto para aeronaves, na refinaria de Heide ao norte de Hamburgo e entregue ao Aeroporto de Hamburgo. Esta primeira planta industrial até agora é única na Alemanha. A operação regular está prevista pela Atmosfair para o primeiro trimestre de 2022.

Informações da Lufthansa Cargo

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

ANAC leva o 1° lugar em ranking de transparência da CGU...

0
Em pouco mais de 10 meses, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) alcançou a 1ª posição no ranking de transparência ativa do Painel