Lufthansa estaria considerando o Boeing 787 em nova compra

A companhia alemã Lufthansa pode estar prestes a fazer uma nova encomenda de aeronaves de longo curso, e estaria considerando comprar o Boeing 787 Dreamliner para sua futura frota.




Avião Boeing 787 Dreamliner Lufthansa

Pessoas próximas à companhia revelaram ao Investor’s Business Daily que a Lufthansa solicitou propostas tanto para a Airbus quanto para a Boeing para uma encomenda de 20 jatos, que seria feita nos próximos meses.

A nova compra estaria avaliada em $5 bilhões de dólares em valores de tabela. O negócio também incluiria ajuda da fabricante escolhida para dar um fim aos seus Airbus A340 que já estão com certa idade.

O que pode ser apenas uma jogada de barganha da Lufthansa frente à Airbus, já que a aérea opera uma frota majoritariamente da fabricante europeia, pode fazer sentido quando se analisa o futuro: a Lufthansa tem 34 Boeings 777-9X encomendados. O custo de treinamento de transição do 777X para o 787 pode ser praticamente o mesmo que a atual transição do A340 para o A350.

O quadrijato A340 é uma aeronave que consome muito combustível devido aos seus quatro motores, e juntamente com os Boeings 747 da companhia fazem com que a Lufthansa seja a europeia que mais gasta com combustível, afinal são uma centena de quadrijatos hoje na empresa.

Acordos envolvendo a futura venda de aviões usados da frota da companhia é algo incomum, mas que foi utilizado recentemente pela Boeing quando a mesma ofereceu o 787-9 para a Hawaiian e prometeu arranajar um novo dono para seus antigos 767.

A aposta funcionou: a Airbus perdeu na época o único cliente para o A330-800neo e a Hawaiian, além de levar um jato maior, garantiu um novo operador para seus Boeings 767, a United Airlines.

Atualmente a Lufthansa possui 12 A350 e tem encomenda para mais 13, além de opção para mais 30. Os 777X por sua vez devem chegar na companhia em 2020. Comprar de pouco em pouco tem sido uma estratégia da companhia para barganhar e não comprar além do necessário, mas isso veio com um custo: a idade média da frota da companhia é de 11.4 anos, maior do que de qualquer aérea brasileira.

Com informações do Investor’s Business Daily.

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos