Lufthansa perde a paciência com declaração de CEO da Qatar e rebate com vontade

Lufthansa

A Lufthansa respondeu friamente nessa segunda-feira, 2 de dezembro, a uma declaração de que a rival Qatar Airways estava interessada em participar ou colaborar com a companhia aérea alemã.

O executivo-chefe da empresa árabe, Akbar Al-Baker foi citado pela agência de notícias alemã DPA no domingo, 1 de dezembro, dizendo que estava interessado em investir na Lufthansa para aproveitar oportunidades de negócios na maior economia da Europa.

Inicialmente, a Qatar Airways procuraria uma parceria com a Lufthansa para “aprimorar” os serviços de transporte aéreo e o turismo na Alemanha, disse Al-Baker em Doha, durante uma visita do premiê do Estado da Baixa Saxônia ao Qatar.

A DPA também citou o CEO da Qatar Airways dizendo que a participação da transportadora árabe na aliança Oneworld não impediria um acordo com a Lufthansa, que faz parte da rival Star Alliance. “Já dissemos várias vezes que deixaremos a OneWorld”, disse Baker.

A Lufthansa rebate

A Bolsa de Valores de Frankfurt estava animada com a notícia e as ações da Lufthansa subiam 2% na manhã dessa segunda. Mas o furor durou até a resposta da empresa aérea alemã chegar às manchetes.

Como toda a delicadeza, a alemã fechou a mão e deu: “Não tivemos a Lufthansa privatizada na Alemanha para ser nacionalizada no Catar”, disse um porta-voz, acalmando os ânimos dos investidores. No final do pregão, as ações caíram 1,25%.

Importante comentar que a Lufthansa precisa limitar a propriedade de acionistas de países não membros da União Europeia a 49% para preservar suas licenças de voo. Seu CEO, Carsten Spohr, já criticou repetidamente as rivais do Golfo, como Qatar, Emirates e Etihad Airways, por receber o que ele descreve como subsídios estatais injustos e anti-competitivos.

Qatar Airways Boeing 787-8 Dreamliner
Boeing 787-8 – Imagem: Qatar Airways

Participações da Qatar

A transportadora do Golfo detém participações minoritárias em companhias aéreas como IAG, Cathay Pacific e China Southern Airlines, vem buscando aumentar as participações em outras empresas.

No grupo Latam Airlines, com sede no Chile e operações no Brasil e outros países da América-Latina, a Qatar possui uma participação de 10% e já declarou recentemente que deseja aumentar esse número para 20% “assim que surgir a oportunidade”.

No mês passado, a Qatar assinou um contrato de codeshare com a principal companhia aérea indiana IndiGo, obtendo mais acesso ao mercado indiano em rápido crescimento.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.