Início Empresas Aéreas Lufthansa realizará pela segunda vez o voo mais longo de sua história

Lufthansa realizará pela segunda vez o voo mais longo de sua história

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Lufthansa anunciou que repetirá a operação especial que fez desde a Alemanha até as Malvinas, no mais longo voo de sua história.

Imagem: Vuxi / CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Amanhã, 30 de março, a Lufthansa irá realizar seu segundo voo sem escalas de Hamburgo para Mount Pleasant (MPN), nas Ilhas Malvinas (Falklands), em nome do Alfred Wegener Institute, Helmholtz Center for Polar and Marine Research (AWI), em Bremerhaven.

Desta vez, o Airbus A350-900 transportará 40 tripulantes do navio de pesquisa Polarstern, bem como cientistas do Centro Aeroespacial Alemão (Deutschen Zentrums für Luft- und Raumfahrt). Durante o voo, os cientistas estarão coletando dados de medição que fornecerão mais informações sobre a influência do campo magnético da Terra no que diz respeito à aviação. Portanto, o segundo voo para as Ilhas Malvinas também estará contribuindo para a ciência em seu caminho na missão dos tripulantes do navio ao Polo Sul.

O Airbus A350-900 será transferido de Munique para Hamburgo às 14h30 de amanhã, e está programado para chegar ao Aeroporto de Hamburgo às 15h40 (horário local) com o número do voo LH9923. Na mesma noite, o LH2574 decolará para Mount Pleasant às 21h30. A aeronave com o registro D-AIXQ, batizada com o nome da cidade de Friburgo, é o mais novo integrante da frota de A350 da Lufthansa e uma das aeronaves de longo curso mais sustentáveis ​​e eficientes do mundo.

O Comandante da Frota e Gerente do Projeto das Falklands, Thomas Jahn disse:

“Com o segundo voo para as Ilhas Malvinas, não estamos apenas satisfeitos por poder apoiar a expedição de pesquisa polar do AWI, mas também por dar uma importante contribuição para pesquisas futuras sobre o campo magnético da Terra. Já apoiamos projetos de pesquisa climática há mais de 25 anos.”

A razão para este segundo voo para as Ilhas Malvinas é fazer a rotação da tripulação do Polarstern e pegar a equipe de expedição de pesquisa. Desde o início de fevereiro, uma equipe de cerca de 50 pesquisadores vem coletando dados importantes sobre as correntes oceânicas, o gelo marinho e o ciclo do carbono no Oceano Antártico, que, entre outras coisas, permitem previsões climáticas mais confiáveis.

No caminho de volta da área de pesquisa no sul do Mar de Weddell, Polarstern parou na Baía de Atka, onde mais 25 cientistas embarcaram – especificamente, a equipe de verão e a equipe de inverno da Estação Neumayer III – com esta última retornando à Alemanha após mais de 15 meses na Antártica.

O voo de retorno

Em 2 de abril, o A350 da Lufthansa levará a equipe de pesquisa internacional da AWI e os cientistas do DLR das Ilhas Malvinas de volta à Alemanha. O pouso está previsto para as 15h00 (horário local) em 3 de abril no aeroporto de Munique com o número de voo LH2575.

Para tornar a pesquisa o mais favorável ao clima possível, o Alfred-Wegener-Institut também compensará as emissões de CO₂ do voo.

O primeiro voo de Hamburgo para as Ilhas Malvinas, realizado no final de janeiro de 2021, foi o mais longo voo de passageiros sem escalas da história da Lufthansa. O Airbus A350-900 chegou à base militar de Mount Pleasant após voar mais de 13.000 quilômetros em mais de 15 horas.

Com informações da Lufthansa

Relembre nossa matéria do primeiro voo mais longo da Lufthansa:

Sair da versão mobile