Lufthansa surpreende: vai reativar oito Boeings 747-400

Boeing 747-400 Lufthansa
Boeing 747-400 – Imagem: Lufthansa

Em uma movimentação inesperada, apenas um mês após o anúncio oficial da aposentadoria do Boeing 747-400, a Lufthansa vai reativar oito Jumbos armazenados e operá-los até 2023. A decisão vem pouco depois do anúncio feito há duas semanas sobre a reativação de cinco dos dezessete Airbus A340-600 também previamente retirados, que voarão a partir da base de Munique.

A volta dos dois modelos se deve a um aumento na demanda Premium, o que obriga suas aeronaves armazenadas desde março de 2020 serem reativadas. Além disso, a empresa passa por um momento de transição, visto que os Airbus A350-900, Boeing 787-9 e o Boeing 777-9X que substituirão os quadrimotores só chegarão entre 2022 e 2024.

Conforme relata nosso parceiro Aviacionline, uma das grandes fontes de receita de uma companhia aérea são os passageiros Premium e corporativos, e a necessidade de geração de receita é bastante elevada nesta crise, depois de vários meses com enormes perdas e ajuda do estado alemão.

Nesta temporada de verão europeia, as viagens de férias aumentaram significativamente. A Lufthansa, diante desse aumento de demanda, colocou, mesmo em voos curtos, seu Boeing 747-8I e Airbus A350-900, voando para Palma de Mallorca na Espanha, bem como a Swiss International Air Lines também o fez com o Boeing 777-300ER partindo de Zurique (ZRH) e outra companhia aérea do grupo, a Austrian Airlines, com seu Boeing 777-200ER, para a ilha grega de Creta.

A pequena companhia aérea regional italiana, Air Dolimiti, que pertence ao grupo, junta-se ao aumento da procura e vai operar um Airbus A330-200 da Eurowings Discover para Barcelona.

O Boeing 747-400 foi, junto com o A380, o mais atingido durante a pandemia com grandes remoções de frotas, e a notícia de sua reativação dá esperança de ver a “rainha dos céus” por mais algum tempo no transporte de passageiros. A Lufthansa possuía 31 aeronaves do modelo, até que gradativamente, desde 2011, foi retirando-as, chegando às oito atuais armazenadas em Enschede, Hamburgo, Lourdes e Teruel.

Os oito Boeing 747-400 que estão em estoque são os registrados sob as matrículas D-ABTK, -ABTL, -ABVM, -ABVU, -ABVW, -ABVX, -ABVY e ABVZ, e receberão uma inspeção preliminar para a devolução ao serviço comercial em setembro.

Assim que as revisões forem concluídas, eles poderão retornar à sua antiga malha aérea, que parti de Frankfurt Am Main para destinos como Bengaluru e Nova Delhi na Índia; Denver, Miami, Orlando e Washington DC nos Estados Unidos; Seul na Coreia do Sul; e Toronto e Vancouver no Canadá.

O modelo se juntará ao Boeing 747-8I, a versão maior e atualizada de seu antecessor, que a Lufthansa utiliza para operações em Buenos Aires na Argentina; São Paulo no Brasil; Cidade do México; Joanesburgo na África do Sul; Xangai na China; Tóquio (Haneda) no Japão; Nova Delhi e Bengaluru na Índia e São Francisco, Los Angeles, Houston, Chicago, Boston e Nova York nos Estados Unidos.

Atualmente, existem cerca de 250 Boeing 747-400 em operação no mundo, mais de 200 deles voando em empresas de carga, sendo a Atlas Air a maior operadora, com 34 aeronaves.

Leia mais:

Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias