Maior operadora mundial de aviões Embraer E145 fecha as portas

Foto de Lord of the Wings via Wikimedia (CC)

Quando o voo 4001 da ExpressJet pousou em Houston, Texas, na quarta-feira (30), ele não apenas sacramentou o fechamento da empresa e incerteza na cabeça de 3.000 funcionários desempregados, mas também registrou o fim da empresa que, por muito tempo, foi a maior operadora de aeronaves Embraer E145 do mundo.

A situação pela qual passa a empresa tem relação direta com a crise no setor aéreo causada pela pandemia, já que a United Airlines, empresa para a qual prestava serviços resolveu centralizar suas operações em outra companhia regional, a CommutAir.

Antes da pandemia, a ExpressJet atendia a mais de 100 destinos nos EUA, Canadá e México, com mais de 3.300 voos semanais a partir de Chicago, Houston e Newark. Fundada em 1986, tinha cerca de 3.000 funcionários no início do ano. Em fevereiro, a empresa chegou a divulgar planos de adicionar 36 ERJ-145 de 50 assentos a sua frota, o que a tornaria a maior operadora do modelo na história (além de já ser a maior operadora no mundo), com quase 130 aeronaves em atividade.

Ao longo de sua história, a empresa norte-americana operou um total de 234 aeronaves dos modelos E135 e E145, sendo 204 do último.

Captura de tela do FlightAware mostra o últmo voo da ExpressJet

Desemprego

Segundo matéria a Forbes, cerca de 650 comissários estão agora desempregados, além de pilotos e dos demais profissionais, chegando a cerca de 3.000 pessoas. Um comissário de bordo típico da Express Jet tinha 15 anos de serviço e ganhava cerca de US$ 40.000 por ano. 

A perda de empregos dos funcionários da ExpressJet foi adicionada às 35.000 licenças não-remuneradas promovidas pelas empresas aéreas americanas nessa semana, quando souberam que o Congresso não cumpriria o prazo do final de setembro para estender o programa de apoio à folha de pagamento para trabalhadores de companhias aéreas.

Embora o assunto ainda esteja em pauta no Congresso americano, o fechamento da ExpressJet já está sacramentado. A CommutAir, empresa que assumirá parte dos voos que a ExpressJet possuía, tem sede em Cleveland, Ohio, e atende a 50 destinos com cerca de 1.000 voos semanais. A empresa opera atualmente 30 aeronaves ERJ-145.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias