Mais de 75% dos aviões da Cathay Pacific estão parados pelo impacto do coronavírus

O coronavírus e a subsequente queda na demanda de viagens continuam a afetar de forma devastadora as companhias aéreas. As notícias de Hong Kong nesta manhã são de que a companhia aérea local, Cathay Pacific, estacionou mais da metade de sua frota e esse número deverá aumentar.

Aviões Cathay Pacific parados Hong Kong
Aviões da Cathay Pacific no aeroporto de Hong Kong

Conforme divulgamos na semana passada, imagens de dezenas de aeronaves paradas pelos aeroportos da China começavam a dar uma dimensão do impacto na aviação. E as informações de hoje mostram que a situação é tão ruim ou ainda pior do que parecia.

Aeronaves estacionadas e corte de capacidade

Um relatório de Danny Lee no South China Morning Post nessa segunda-feira diz que a Cathay Pacific cortou 75% de seus voos ao longo de março e tem 120 de suas 152 aeronaves no solo em Hong Kong.

A título de comparação, durante o surto de SARS em 2003, a companhia aérea estacionou cerca de 25% de suas aeronaves e reduziu seus voos em 45%.

O relatório cita o analista da Bocom International, Luya You, que destaca um ponto importante: “Um surto é o tipo de impacto macro que é realmente difícil para uma companhia aérea planejar. Durante um surto, tudo desmorona porque, não importa o preço, as pessoas não estão mais dispostas a voar”.

Muito a perder e nada a fazer

Avião Boeing 777 Cathay Pacific

A Cathay Pacific é a companhia aérea da ilha chinesa que mais tem a perder à medida que a atual crise se desenrola. A empresa detinha mais de 50% do tráfego entre a China continental e Hong Kong.

Esses voos representam uma parcela significativa da capacidade e receita gerais de assentos da Cathay. O corte de voos para a China continental chega a 90%.

A situação não dá muito espaço para manobras. A Cathay Pacific já vinha perdendo dinheiro com os protestos civis em Hong Kong nos meses anteriores ao coronavírus. Agora, não resta nada a fazer a não ser reduzir as despesas e esperar até que a crise passe.

Várias semanas atrás, a Cathay solicitou que 25 mil de seus funcionários tirassem três semanas de férias não remuneradas nos próximos três meses.

Ajuda financeira do aeroporto

Como a Cathay Pacific sente a pressão financeira da crise, buscou socorro junto ao aeroporto de Hong Kong.

O aeroporto, pressionado por um sério declínio no tráfego e nas receitas, ofereceu um pacote de ajuda no valor de um quinto do seu lucro líquido mais recente.

Mas a companhia aérea queria mais, e o aeroporto de Hong Kong não está disposto a oferecer muito mais. A Cathay Pacific disse hoje que ficou decepcionada, entretanto, eles não são os únicos negócios em Hong Kong sob tensão financeira.

Com previsão de que a situação ainda piore antes de melhorar, poderemos ver ainda mais aviões estacionados no Aeroporto Internacional de Hong Kong e em outros mais.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias