Marinha troca nome de navio e agora tem um porta-aviões novamente

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

A Marinha do Brasil volta a ter um porta-aviões, pelo menos na teoria, com a mudança de nome de um de seus navios.

Foto Alexandre Durão/Revista Força Aérea/Marinha do Brasil

Comissionado em 2018, o Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) A140 Atlântico, foi construído originalmente para a Marinha Real Britânica como HMS Ocean. Na sua concepção, seu objetivo era servir como uma plataforma de apoio aos fuzileiros reais (Royal Marines) em tomadas de praia, tendo capacidade de operar muitos helicópteros, como o Chinook, Wildcat, Merlin e Apache.

No entanto, ele foi retirado do serviço real e comprado pelo Brasil como uma oportunidade de voltar a ter uma pequena “base aérea” em alto mar. Devido ao seu comprimento e à resistência do convés, ele não é capaz de receber aviões como os caças F-18 Hornet, F-35 Lightning II e o AV-8 Harrier.

Mas agora as coisas parecem ter mudado, após a Marinha do Brasil ter rebatizado e embarcação para Navio-Aeródromo Multipropósito Atlântico (NAM) Atlântico, mantendo o código A140. O motivo da mudança: “possuir a capacidade de operar em seu convoo com aeronaves remotamente pilotadas, bem como com aeronaves turboélice de pouso vertical”.

Drones

Os drones, que são aeronaves remotamente pilotadas, possuem pouco peso e conseguem decolar de pequenas distâncias, ou até mesmo serem lançados por plataforma ao estilo “estilingue” ou com a própria mão. Isso permite, portanto, que o navio se transforme num porta-aviões, limitado à sua classe operacional.

Por sua vez, a aeronave turboélice de pouso vertical é uma referência clara ao V-22 Osprey, que é uma aeronave multi-rotor com capacidade de pousar e decolar na vertical como um helicóptero, mas voar como um avião convencional. De qualquer maneira, o Brasil ainda não possui aeronaves como essa, as quais compõem frotas dos EUA e Japão, por exemplo (foto abaixo).

V-22 do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias