Material “feito de ar” deverá ser usado em futuras antenas de aeronaves

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Aerogel que poderá ser usado para antenas – Imagem: NASA

Os pesquisadores da NASA (National Aeronautics and Space Administration) provaram que um material versátil conhecido como aerogel pode ser produzido de forma a criar antenas leves e flexíveis para uso em futuras aeronaves, como drones elétricos de carga ou táxis aéreos de passageiros.

Isso ajuda a resolver um desafio enfrentado por aeronaves menores ao usar comunicação de rádio baseada em satélite, que geralmente requer sistemas de antena parabólica muito pesados ​​ou que se projetariam no fluxo de ar e criariam uma resistência (arrasto) que desperdiça combustível.

A pesquisa durante os últimos cinco anos provou que o aerogel, que é composto principalmente de ar, pode ser feito espesso o suficiente para ainda servir como base para uma antena, mas também ser conectado à superfície de uma aeronave de forma que possa seguir todos os contornos.

“Antes disso, os aerogéis eram flexíveis apenas como filmes finos de até 0,5 mm de espessura. Mas fomos capazes de produzir substratos de até 2 mm de espessura com um raio de curvatura de uma polegada, e isso é flexível o suficiente para uso como um substrato de antena viável”, disse Jessica Cashman, engenheira química da atividade de Estruturas de Antena Leve Conformável para Tecnologias de Comunicação Aeronáutica (CLAS-ACT – Conformal Lightweight Antenna Structures for Aeronautical Communication Technologies).

A CLAS-ACT foi selecionado em 2016 como uma atividade do projeto Solução Convergente de Aeronáutica (Convergent Aeronautics Solution), um projeto que visa dar aos pesquisadores a oportunidade de estudar a viabilidade de utilização de tecnologias novas e especialmente inovadoras em aplicações da aviação.

Para saber mais sobre essa pesquisa (em inglês), clique aqui para acessar.

Informações de Jim Banke, Diretoria de Missão de Pesquisa Aeronáutica / NASA

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Avião Boeing 737-700 Gol Linhas Aéreas

GOL mantém bom ritmo mensal em novembro, veja os dados que...

0
A companhia transportou cerca de 2 milhões de passageiros em mais de 14,2 mil decolagens, incluindo o retorno de rotas internacionais.