Mídia espalha boato sobre o que levou dois caças a interceptarem um voo comercial

Foto de passageiro do voo

Um Boeing 737-800 da Ryanair, com registro EI-DLC, realizava o voo FR-9026 de Girona (Espanha) para Bratislava (Eslováquia), na sexta-feira, 25 de outubro, quando os passageiros foram surpreendidos por dois caças Eurofighter, um de cada lado da aeronave.

Segundo informações do Avherald, um único veículo de mídia eslovaco relatou inicialmente um grande drama, afirmando que a aeronave havia desaparecido do radar e que era incapaz de se comunicar com o Controle de Tráfego Aéreo e, por seus equipamentos falharem, eles precisavam do apoio dos caças Eurofighter austríacos para guiá-los até o pouso em Bratislava. 

No dia seguinte à publicação, o Aeroporto Internacional de Bratislava confirmou a ocorrência (sem nenhuma alteração na narrativa), e vários meios de comunicação eslovacos, incluindo uma agência de notícias local, também publicaram a história.

Mas estava tudo errado

Nesse momento, o estrago já estava feito. No entanto, uma simples pesquisa na internet levou a um fato que contradiz toda a teoria acima.

Isso porque o equipamento ADS-B, que permite o rastreamento do voo via Flightradar24, por exemplo, bem como o transponder da aeronave, estiveram operacionais o tempo todo durante o voo. Como na imagem abaixo, é possível ver o rastreamento do voo feito pelo Flightaware.

Ou seja, a aeronave permaneceu visível não apenas nas estações de radar primárias, mas também secundárias, em todos os momentos. E em nenhum momento a tripulação selecionou os códigos para emergência ou perda de comunicação no transponder. Em outras palavras, pelas informações do rastreador de voos fica evidente que os pilotos em momento algum indicaram que haviam perdido orientação ou comunicações com o controle.

No entanto, outra coisa curiosa é que a aeronave não partiu para o voo de volta como de costume, mas permaneceu no chão em Bratislava por 4 horas antes de retornar ao serviço. Isso não teve nenhuma relação com a questão dos caças, mas alimentou a teoria da imprensa local, ou seja, de que havia um problema com a aeronave. 

Dados do voo, via Flightaware

Quer saber a verdade?

Sem informações é difícil saber o que houve de fato.

No início do mês, a Força Aérea da Áustria anunciou em seu país que haveria exercícios de treinamento de interceptação, os quais poderiam produzir explosões sônicas em toda a Áustria entre 21 de outubro de 2019 e 31 de outubro de 2019. Embora a dita força aérea não tenha confirmado que foi esse o caso do voo da Ryanair, essa é a melhor hipótese até o momento.

Outra possibilidade é que os pilotos tenham esquecido de mudar a frequência do rádio. Apesar de possível, a chance é muito remota.

Por outro lado, a mídia comum parece igual em qualquer lugar do mundo, espalhando boatos como esse, causando um impacto negativo a toda a cadeia da aviação. Ao se apressar em dizer que houve falha de comunicação, a mídia eslovaca não consultou 1% das ferramentas à disposição para comprovar (ou não) as informações.

Por que será que ninguém soltou nenhuma nota a respeito do incidente? A falta de informação alimenta ainda mais as especulações.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.