‘Miniliner’ deve entrar em operação em 2028 com propulsão a hidrogênio

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Pipistrel Miniliner Hidrogênio
Miniliner – Imagem: Pipistrel

A fabricante eslovena de aviões leves Pipistrel anunciou na semana passada que seus estudos de projeto conceitual estão indicando um potencial de mercado significativo, com base na viabilidade tecnológica e infraestrutural identificada, para seu novo conceito, o Miniliner.

A aeronave fornecerá, segundo a Pipistrel, uma solução líder para futuras pequenas aeronaves regionais que possibilitará um transporte limpo, rápido e econômico.

O Miniliner é um novo tipo de avião de emissão zero na classe de 20 assentos, capaz de operar silenciosamente em pistas menores que 1 km, incluindo pistas de grama em pequenos aeródromos.

Esse avião tem, portanto, o potencial de revolucionar a mobilidade aérea, conectando populações atualmente não atendidas em um alcance de 200 a 1.000 km, mas também fornecendo serviços de micro-alimentação partindo de pequenos aeroportos para grandes centros.

Tendo começado a considerar aeronaves maiores de emissão zero há vários anos já como parte do projeto MAHEPA (sigla para Abordagem Modular para Arquitetura de Propulsão Hibrido-Elétrica), a Pipistrel está agora realizando ativamente estudos de projeto conceitual internamente, bem como parcerias com universidades no âmbito do projeto UNIFIER19 também financiado pela União Europeia.

Enquanto várias soluções de conjunto de potência estão sendo avaliadas, os sistemas avançados de propulsão à base de hidrogênio atendem aos requisitos não negociáveis ​​de emissão zero, operações silenciosas e seguras.

As aeronaves atuais neste segmento de mercado contam com designs de 40 anos, movidos por motores turboélice que queimam combustível, barulhentos e exigem manutenção intensiva.

O Miniliner da Pipistrel permitirá uma redução de Custo Operacional Direto (DOC) de 30 a 40% em uma métrica por assento em relação às soluções de hoje, mesmo com a introdução de novas tecnologias de propulsão com emissão zero, monitoramento de emissões em tempo real e tecnologias avançadas de automação de controle de voo.

A Pipistrel visa uma EIS (Entrada em Serviço) entre 2028 e 2030, pois os conceitos propostos são voltados para não exigir grandes investimentos em infraestrutura. Para superar os desafios atuais nos domínios regulatório, operacional e tecnológico, a Pipistrel está se envolvendo com a Aviação Limpa da Europa, SESAR e EASA, além de estabelecer várias iniciativas de parceria da indústria.

Segundo a fabricante, os voos de micro-alimentadores alavancarão sistemas avançados de controle de tráfego aéreo para integrar com segurança os Miniliners aos espaços aéreos movimentados em torno dos grandes aeroportos.

Com os aeroportos se tornando nós multimodais de emissão zero, conforme orientado pela Estratégia de Mobilidade Sustentável e Inteligente da Comissão Europeia, os Miniliners de emissão zero movidos a hidrogênio estão cada vez mais próximos da realidade e irão alavancar os desenvolvimentos para trazer a Aviação Limpa mais perto das comunidades.

Informações da Pipistrel

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Apresentado um novo conceito de avião rechonchudo para voos de longo...

0
Um novo conceito de aeronave de grande porte foi apresentado hoje (6) pelo programa FlyZero, do Instituto de Tecnologia Aeroespacial (ATI)