Com motor apagado, Airbus A320neo desvia para Salvador 1h15 após decolar de Jeri

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Os pilotos de um Airbus A320neo desviaram sua rota para Salvador nesta última quarta-feira, 20 de janeiro, depois de uma pane que levou a aeronave a prosseguir voando com um motor apagado.

Embora a aeronave tenha plena capacidade de se sustentar em voo com apenas um de seus dois motores funcionando, é padrão na aviação a ação de levá-la ao pouso no destino mais próximo possível em prol da segurança, afinal, se um motor apagou ou precisou ser apagado pelo piloto, uma condição fora do comum se desenvolveu, sendo prudente pousar para resolver a situação antes que algo possa resultar na perda de outro propulsor.

O incidente da quarta-feira ocorreu com o Airbus A320neo registrado sob a matrícula PR-YYC, operado pela companhia aérea Azul Linhas Aéreas, após partir do Aeroporto Regional Comandante Ariston Pessoa, de Jericoacoara (CE), no voo de número AD4840 com destino ao Aeroporto de Congonhas, na capital paulista.

O jato havia partido de Jeri às 2:43 da madrugada do dia 20 e subido até o nível de voo FL380 (38 mil pés de altitude, ou cerca de 11,6 km) quando, após cerca de 1 hora e 15 minutos desde a decolagem, os pilotos iniciaram o desvio para o Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães, de Salvador (BA).

O momento em que A320neo começava o desvio – Imagem: FlightRadar24

Segundo relato de passageiros a bordo, o comandante explicou que eles estavam voando com apenas um motor em funcionamento durante o desvio para o aeroporto alternativo.

O Airbus A320neo foi baixado até o nível de voo FL230 (23 mil pés de altitude, ou cerca de 7km) e assim mantido por cerca de 30 minutos até inciar a descida para Salvador. O pouso ocorreu com segurança às 5:00.

Até a publicação desta matéria, os dados do FlightRadar24 mostram que o avião continua em solo na capital baiana, o que indica que provavelmente a pane não era rapidamente solucionável sem uma intervenção mais complexa da equipe de manutenção.

Segundo o The Aviation Herald, a companhia informou que uma falha mecânica levou ao desvio. Porém, não há uma informação oficial que indique se o apagamento de motor foi feito pelos pilotos ou se foi não comandado, ou seja, executado automaticamente pelos sistemas da aeronave.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias