Motor de Boeing 707 é apreendido com R$170 milhões em cocaína

As autoridades aduaneiras de Hong Kong apreenderam um motor de Boeing 707 procedente do Equador, recheado de cocaína.

Boeing 707

O motor em questão foi divulgado como de 737, mas aparentemente é um Pratt & Whitney JT3 que equipou o clássico quadrijato Boeing 707.

Como a droga foi achada é bem curioso: o contêiner foi despachado do Equador e chegou em março a Hong Kong, mas até hoje ninguém tinha ido buscar.

Com a demora do destinatário para retirar, os oficiais do Porto de Hong Kong decidiram investigar e viram que era um motor velho, o que era suspeito já que não existem praticamente mais 707s voando pelo mundo (muito menos naquela região) e, ainda assim, não é comum mandar motores de avião por navio.

Os oficiais decidiram então passar a carga no Raio-X e viram que diversos componentes do motor estavam faltando, como cabos, tubos e peças internas.

Segundo o South China Morning Post, especialistas foram chamados e viram que existia uma pintura nova em uma parte de uma das câmaras de combustão, e decidiram perfura-lá para ver o que acontecia. E foi quando a cocaína foi encontrada.

No total, cerca de 217 quilos da droga foram achados em todas as câmaras de combustão do motor, o que daria uma receita de cerca de $31 milhões de dólares (R$170 mi) após a droga ser processada e vendida no mercado local.

Com esse achado, foi batido o recorde anual de apreensão de drogas no porto e aeroporto de Hong Kong.

Ainda não se sabe o motivo pelo qual o dono não foi buscar a sua “encomenda”, mas provavelmente seria algo relacionado à pandemia do novo coronavírus, que atingiu fortemente a província e a China continental. Detalhes do recipiente da encomenda também não foram divulgados, por motivos óbvios, enquanto a polícia local investiga a estranha forma de transporte.

Seja lá quem esteja envolvido nisso, o objetivo, definitivamente, não foi “esconder” a droga, já que um motor desse tamanho dificilmente passaria despercebido.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias