Motoristas iluminam a pista para salvar pouso de aeronave no Alasca

Foto: Ida Nelson – Divulgação

No último domingo, o jornal New York Times publicou a notícia de um daqueles acontecimentos que mais parecem parte do roteiro de um filme do que da realidade. No interior do estado do Alasca, EUA, moradores de uma pequena cidade se uniram para iluminar a pista de pouso do aeroporto local com os faróis dos carros e garantir a chegada de uma aeronave em operação de resgate aeromédico.

O caso aconteceu na cidade de Igiugig, que tem menos de 100 moradores. Apesar de muito pequena, a comunidade abriga o aeroporto estatal que atende a região. Na noite de sexta-feira, 28 de agosto, uma garota local precisou de cuidados médicos e o hospital mais próximo para socorro estava a 280 milhas (460 km) de distância, na cidade de Anchorage, cujo aeroporto chamou a atenção da imprensa internacional neste ano por ter recebido o gigante Antonov-AN225 durante uma ameaça de bomba e por ter sido, por um dia, o aeroporto mais movimentado do mundo.

Sobrevoo noturno

A empresa médica LifeMed enviou o beechcraft King Air 200 para o resgate. Durante a aproximação, as luzes do aeroporto falharam e não havia condições para pouso com segurança. Em entrevista ao NYT, a chefe local Ida Nelson informou que percebeu o som da aeronave em aproximação, algo que só acontece durante a noite em situações de grave emergência. Ela percebeu o problema e acionou os moradores, que prontamente dirigiram até o aeroporto. “Meu vizinho fez 32 ligações no esforço para mobilizar a população e a maioria atendeu ao chamado”, disse a administradora do local.

Em poucos minutos, cerca de 20 carros, incluindo o dela própria, ladeavam a pista de 914 metros do aeroporto com os faróis altos ligados. A manobra, arriscada, garantiu o pouso e o resgate da pequena moradora. Os motoristas só deixaram o local após a decolagem da aeronave com a paciente, que foi socorrida e teve alta dois dias depois.

Em depoimento ao jornal, o porta-voz do Departamento de Transporte e Instalações Públicas do Alasca, responsável pelo aeroporto, disse que as luzes da pista foram danificadas após a colisão de veículo na semana anterior.

O problema é considerado corriqueiro nos pequenos aeroportos do estado e a manutenção estava em andamento. O incidente foi tratado como vandalismo pelas autoridades, que precisam trazer funcionários de outras localidades para providenciar o conserto, o que pode demorar dias numa região tão remota.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias