Uma mulher infectou 15 pessoas a bordo de um voo comercial com Covid

man person people train
Foto de Gratisography via Pexels.com

As companhias aéreas têm se esforçado em retratar as viagens aéreas em tempos de coronavírus como seguras, falam muito dos filtros HEPA, que mantêm o ambiente a bordo com um ar puro, similar ao encontrado num centro cirúrgico, além das máscaras que reduzem a possibilidade do vírus se espalhar. Tudo isso dá mais segurança, é cientificamente comprovado, mas não elimina o risco.

Em uma publicação atual dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, um voo em março deste ano foi analisado em detalhes. Resultado: 15 outras pessoas a bordo foram infectadas por uma única pessoa, diz o órgão.

Que voo foi esse

O voo-objeto do estudo foi o VN54 da Vietnam Airlines, que decolou de Londres em 1° de março de 2020 para Hanói. Havia a bordo do Boeing 787-9 um total de 16 tripulantes e 201 passageiros, incluindo uma empresária vietnamita de 27 anos que reclamava de uma forte dor de garganta e tosse nos dias anteriores à partida – mas mesmo assim pegou o voo num momento em que a Ásia já enfrentava o pior da pandemia. Pouco depois de retornar ao Vietnã, “voilà”, a mulher testou positivo para SARS-CoV-2.

No Vietnã, toda a tripulação e 84% dos passageiros puderam ser rastreados e testados. O resultado da análise descobriu que um membro da tripulação e catorze passageiros testaram positivo para o coronavírus e provavelmente foram infectados durante o voo. Foi particularmente notável que a maioria dos passageiros corona-positivos sentou-se nas imediações do assento da mulher, como mostra esse mapa-gráfico apresentado pelo CDC.

A mulher é representada pelo assento vermelho e os demais infectados nos laranjas, na classe executiva:

Contágio

Com esse estudo, o CDC quer mostrar que existe um risco razoável de contrair o coronavírus a bordo de aeronaves se não houver proteção. Há de se considerar, no entanto, que em primeiro lugar não havia necessidade de máscara em todos os voos no início de março e, em segundo lugar, que a mulher embarcou, apesar dos sintomas. Hoje, a chance de que essas situações aconteçam, diminui consideravelmente devido ao uso da máscara e das triagens.

Como resultado do estudo, não há nada diferente do que já se escuta, ou seja, há a necessidade de as empresas monitorarem meticulosamente as medidas de higiene a bordo. Especificamente, por exemplo, o uso correto de proteção para boca e nariz. Além disso, deve-se ter muito cuidado para não permitir que passageiros sintomáticos ou com riscos embarquem na aeronave.

“Concluímos que há um risco de transmissão do SARS-CoV-2 a bordo durante voos longos, mesmo em ambientes de classe executiva com assentos espaçosos. Enquanto a COVID-19 for uma ameaça de pandemia global, melhores medidas de prevenção de infecção a bordo e triagem são necessários para garantir a segurança do voo”, concluem os autores do estudo.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias