Na frente do 787, Avianca celebra primeiro voo de passageiros à China

Na semana passada, a Avianca Colombia completou uma façanha e comemorou por isso, após ter realizado seu primeiro voo de passageiros para a China. Tratou-se de um serviço especial de repatriação para a cidade de Xangai, um destino voado pela primeira vez nos 100 anos de história da empresa. O serviço aconteceu entre os dias 31 de julho e 3 de agosto e permitiu que cerca de 250 pessoas (muitas das quais vulneráveis economicamente) retornassem a suas casas na Colômbia e na China.

Mas um voo direto não seria possível e, portanto, o Boeing 787-8 fez escalas em Guadalajara e Tóquio, para percorrer a distância de 37.500 quilômetros. A volta aconteceu no dia 3 de agosto.

Segundo o comunicado oficial, a Avianca já possuía um acordo de codeshare com a Air China para impulsionar o mercado aeronáutico entre a América Latina e o mercado asiático desde 2017, mas a pandemia acelerou a chegada do primeiro voo da colombiana ao gigante asiático, que tem uma grande comunidade de colombianos.

Avião Boeing 787 Avianca

Para a Avianca é um orgulho operar este voo especial, que é um marco na história da aviação colombiana, por ser o primeiro a transportar passageiros de Bogotá a Xangai. Este voo, entre outros, destaca o compromisso da companhia em continuar inovando e conectando o país com o mundo apesar da difícil situação em que se encontra hoje a indústria da aviação”, disse Luis Eduardo Rodriguez, piloto-chefe do Boeing 787 da Avianca Holdings.

Além de Xangai, a empresa colombiana operou, de maneira inédita, voos para Zurique, Viena, Bruxelas, Toronto, Atlanta e Houston durante a pandemia, além de ter voado para Paris e Roma, destinos que tinha na década de 1960.

Voo mais longo da Avianca

Recentemente, falamos sobre outro voo especial da empresa à China, mas com objetivo de transportar carga médica para a Colômbia (sem passageiros). Na volta, em 18 de junho, após passar por Xangai, o Boeing 787-8 fez uma parada em Tóquio antes de seguir direto para Bogotá, batendo o recorde de voo comercial mais longo já operado pela Avianca.

O voo de Tóquio para Bogotá é superado apenas pelo voo entre Bogotá e Abu Dhabi, feito pela empresa quando necessita realizar a manutenção de seus Dreamliners nas oficinas da Etihad. Os voos entre Bogotá e os Emirados levam 16 horas e voam mais de 14,5 mil quilômetros, no entanto, não é um voo comercial e as aeronaves viajam vazias.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias