Não há pandemia que pare os voos de deportados dos EUA para o Brasil

Como vimos acompanhando nos últimos dias, diversas empresas aéreas anunciam retomadas e cancelamentos de voos entre os Estados Unidos e Brasil em meio à variação dos cenários da covid-19, mas não houve pandemia que cessasse os voos de deportados dos Estados Unidos para diversos países da América do Sul e Central.

A iniciativa da administração Trump prevê que imigrantes ilegais sejam deportados a seus países, ainda que às custas do governo americano.

A quantidade de passageiros por voo varia, por exemplo, houve uma operação para o Brasil em que desembarcaram apenas 37 pessoas. O primeiro voo com brasileiros deportados foi realizado em outubro de 2019 e, desde então cerca de 1.000 brasileiros que viviam ilegalmente nos Estados Unidos já desembarcaram nem Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O próximo voo de “repatriação forçada” acontecerá no dia 15 de maio e será operado novamente por um Boeing 737-800 da Swift Air, com capacidade para 189 passageiros. Segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), os horários do voo são os seguintes:

  • 15/05 – Decolagem de El Paso e escala em San Juan (Porto Rico), antes de seguir para Belo Horizonte, onde pousa às 13h30 locais
  • 16/05 – Decola de BH às 8h com destino a Porto Rico, antes de seguir para Phoenix.

Esse não é o único voo com deportados que chegará ao Brasil depois que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a pandemia da covid-19. Entre o fim de março e o mês de abril, outros três voos com a mesma finalidade aterrissaram em Minas Gerais vindos de locais na fronteira dos EUA com o México.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias