Nasce a flyBAIR, primeira companhia aérea do mundo financiada por crowdfunding

flyBAIR

Residentes da capital suíça de Berna não terão voos locais na próxima temporada de verão, mas nem por isso se deixaram abater. Numa iniciativa incrível e incomum, eles decidiram criar sua empresa aérea por conta própria.

Desta forma inovadora nasce a flyBAIR, a primeira companhia aérea criada por iniciativa popular no mundo cujos fundos estão sendo levantados pela internet, através de financiamento coletivo (crowdfunding). O projeto tem sido um sucesso até agora, com apenas sete dias no ar, a campanha já arrecadou mais de 43% do necessário para dar o primeiro passo.

Como a flyBAIR vai captar os recursos?

Em seu site flybair.ch, a companhia explica que precisa de cerca de 2,5 milhões de francos suíços (US$ 2,5 milhões) para o seu lançamento, que já está agendado para 1º de maio do próximo ano; destes. O objetivo é arrecadar 1 milhão de francos dentre os cerca de 1 milhão de cidadãos de Berna nos primeiros trinta dias da campanha. 

Embora reconheçam que a ideia é louca, os criadores decidiram solicitar apoio local porque acreditam que já passou da hora de uma companhia aérea conectar a capital suíça de volta aos destinos europeus, e que seus concidadãos concordam totalmente com isso. Antes, a única companhia aérea que operava por lá, a SkyWork Airlines, faliu no final do ano passado.

Atualmente, o terminal não possui voos comerciais e, para pegar um avião, os viajantes percorrer cerca de 75 quilômetros para chegar a Zurique, localizadas no sudoeste do país, ou cerca de 150 quilômetros para Genebra, para o nordeste.

No entanto, o plano de negócios não parece tão “louco” assim, como disse o criador, pois toda a operação será toda ‘terceirizada’; isto é, os voos serão comercializados pelos operadores turísticos Hotelplan e TUI Suisse, enquanto que as operações permanecerão nas mãos da companhia aérea suíça Lions Air e uma frota, arrendada da alemã German Airways.

Outra coisa legal do projeto é que os equipamentos alugados são um um turboélice Dash Q400 e o bi-reator Embraer E190, produzido no Brasil.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias