Neeleman prevê que Azul pode aposentar todos os E-Jets E1 até 2021

David Neeleman, fundador da Azul, deu importantes direcionamentos a respeito dos planos de frota da companhia para o curto prazo, ao tecer comentários durante a conferência telefônica de apresentação dos resultados do 2º trimestre de 2018, realizada em julho.




Conforme divulgado em apresentação aos investidores no começo de 2018, os planos de substituição gradativa dos E-Jets E1 pelos E2 se estendem para além de 2021, com previsão de ainda restarem 49 unidades do E1 em 2021.

Projeção divulgada anteriormente pela Azul

Neeleman, entretanto, afirmou que a comunalidade entre os dois modelos, que permite aos pilotos passarem de uma aeronave à outra com um treinamento simples, deve permitir que a companhia acelere a substituição da frota pelos novos e muito mais econômicos E195-E2.

Confira a seguir na íntegra os comentários do empresário.

“Estamos passando por um processo de transformação, adicionando aeronaves novas de última geração. Com o consumo de combustível extremamente eficiente e com um baixo custo de viagem temos a melhor maneira de recuperar os obstáculos do preço do combustível, além de contarmos com os ventos favoráveis que vimos no segundo trimestre. É por isso que anunciamos recentemente um pedido adicional de 21 unidades dos E2s, aumentando nosso total de pedidos firmes para esse tipo de aeronave para 51.

Com a necessidade de substituir todas as nossas atuais aeronaves E1, este pedido garante que a Azul tenha o mais novo e mais eficiente em termos de economia de combustível no mercado. Com o CASK mais baixo e o menor custo de viagem, que é uma combinação imbatível. Nossos A320neo têm 56 assentos extras em comparação com os E1s, com o custo de viagem semelhante, contribuindo para uma redução rápida de 29% nos custos.

A história da E2 é muito parecida. Tem um custo de propriedade mais baixo, menos queima de combustível, menor custo de manutenção e um aumento potencial de receita de 18 assentos adicionais. Isso resulta em uma redução de custo de aproximadamente 26%.

Ainda sobre E2, tem um custo de viagem que é 14% mais baixo que o E1, assim é como se nós estivéssemos adquirindo mais assentos grátis e pagando muito menos por cada voo, o que é surpreendente porque o custo e o benefícios do E2 em cima do E1 são muito significativos, faz todo o sentido remover agressivamente os E1s de nossa frota antes do planejado.

Eu defini um plano de meta ambicioso para que nossa equipe tenha essa posição da transformação concluída até o final de 2021. Estamos trabalhando duro para isso e compartilharemos mais detalhes em breve.

Isso é absolutamente possível porque o processo de transformação de E1 para E2 é significativamente mais fácil para a Azul, pois eles têm o mesmo tipo de especificação de cabine, de modo que os pilotos podem voar as duas aeronaves ao mesmo tempo, o que é bastante impressionante.

Nosso primeiro E2 está programado para chegar em junho do próximo ano, quando vamos começar a ver esse benefício de expansão de margem deste tipo de frota. Em resumo, continuamos a nos concentrar em nosso plano de expansão de margem, conforme comunicamos o mercado. Estamos no caminho certo para construir uma empresa melhor para nossos membros da tripulação e nossos clientes e acionistas.”

Perspectiva artística do futuro E195-E2 da Azul

Veja também: Azul anuncia intenção de compra de mais 21 Embraer 195-E2.

 

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.