Nesse avião Douglas DC-9, os passageiros podem desembarcar saltando durante o voo

Já imaginou embarcar num clássico avião Douglas DC-9, subir rapidamente pelo céu e saltar pela escada traseira do jato? Isto será possível!

Foto – Skydive Perris

A Skydive Perris, uma empresa focada em paraquedismo, está reativando o seu único Douglas DC-9 que, por acaso, é o único jato comercial do mundo homologado para saltos de paraquedistas utilizando a sua porta traseira. Tal porta servia de saída para os passageiros em voos comerciais, já que conta com uma escada embutida.

A aeronave em questão é o N172NK, que foi fabricado e entregue pela Douglas para a escandinava SAS em 1969, e onde voou até 1995. Depois, foi para os EUA, tendo voado pela Spirit Airlines, ValuJet e, por último, na Allegiant Air, onde foi a primeira aeronave utilizada pela empresa aérea.

Depois da Allegiant Air, ele ficou estocado em Victorville, no deserto da Califórnia, até que a Skydive Perris o adquiriu em 2006. Ele voou até 2013 levando paraquedistas para cima e para baixo na grande Los Angeles.

Porém, a aeronave ficou parada pela dificuldade de peças de reposição, situação que só começou a melhorar nos últimos anos com a aposentadoria de mais DC-9 pelo mundo, assim como jatos da série MD-80, que é a evolução do DC-9.

Com a manutenção retomada, a empresa já anunciou que irá voltar a fazer voos de aventura com o jato, para que as pessoas possam repetir a proeza de pular pela saída traseira de um avião comercial, igual um sequestrador fez nos EUA e nunca foi pego, como o Lito conta abaixo:

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Segunda onda: Peru adiciona o Brasil à lista de países com...

0
Diante do avanço do vírus em várias regiões do mundo, o presidente interino do Peru, Francisco Sagasti, aprovou novas medidas restritivas