No quarto trimestre, Lufthansa terá apenas 25% dos voos do ano passado

A crise continua a ter um impacto considerável na evolução dos resultados do Grupo Lufthansa no terceiro trimestre de 2020. No entanto, devido a uma expansão da programação de voos nos meses de verão no hemisfério norte, de julho a agosto, e reduções de custos consideráveis, as perdas foram reduzidas em comparação com o mesmo período de 2019.

Em sua divulgação de resultados na data de ontem, o grupo reportou um EBIT (ganhos antes de juros e impostos) no terceiro trimestre de -1,26 bilhão de euros (no ano anterior a empresa teve lucro de 1,3 bilhão). Após nove meses no ano, o prejuízo operacional foi de -4,2 bilhões de euros (no ano anterior houve lucro de 1,7 bi). No final de setembro, o Grupo tinha uma liquidez de 10,1 bilhões de euros à sua disposição. Este valor inclui fundos não utilizados dos pacotes de estabilização de 9 bilhões de euros vindos da Alemanha, Suíça, Áustria e Bélgica. Destes, 6,3 bilhões de euros ainda estão disponíveis.

O Grupo Lufthansa diz que também está em posição de resistir a outros impactos da pandemia, prevendo que a demanda por passagens aéreas deve permanecer baixa nos próximos meses de inverno, devido às restrições de viagens associadas à Covid.

Apenas 25%

De acordo com o planejamento atual, as companhias aéreas do Grupo oferecerão apenas, e no máximo, 25% da capacidade do ano anterior no quarto trimestre para garantir que as operações de voo continuem a gerar uma contribuição de caixa positiva. Ao mesmo tempo, o grupo informa que está trabalhando intensamente em medidas de reestruturação em todos os segmentos de negócios, a fim de obter economias de custos de curto e médio prazo e minimizar a saída de caixa operacional.

Recentemente, a empresa também anunciou drásticas mudanças na composição de frota, como abordamos na matéria abaixo:

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Ouça o que disse o presidente da Gol a bordo do...

0
O presidente da GOL Linhas Aéreas, Paulo Kakinoff, falou ontem durante o primeiro voo do Boeing 737 MAX modificado com passageiros no Brasil.