Nova diretriz pede revisão do cabeamento dos clássicos Boeing 737-300, 400 e 500

A Federal Aviation Administration (FAA) emitiu uma Diretriz de Aeronavegabilidade (DA 2021-08-14), válida a partir de 2 de junho, em que exigirá que as empresas que operam aviões Boeing 737 Classic realizem verificações de segurança devido a possíveis falhas de cabos.

De acordo com a Reuters.com, a FAA exige que os operadores verifiquem se os fios sincronizadores dos flaps dos Boeing 737 dos modelos 300, 400 e 500 estão firmemente conectados aos sensores de segurança. Os fios fazem parte do sistema de aceleração automática da aeronave.

A AD se origina de uma investigação sobre o acidente em 9 de janeiro do voo Sriwijaya Air 182 em Jacarta, na Indonésia. O acidente matou todas as 62 pessoas a bordo.

Embora não haja evidências conclusivas de que um fio de sincronismo de flap desconectado tenha desempenhado um papel no acidente, a investigação descobriu a possibilidade de uma falha de conexão ser uma preocupação de segurança que justifique atenção imediata.

A FAA estima que um total de 143 aeronaves desses modelos, registradas nos EUA, serão afetadas. O custo unitário de verificação ficará em torno de $85 dólares para a realização dos testes. No mundo, são cerca de 1.040 Boeing 737-300, 400 e 500 Classic ainda ativos, segundo dados da Cirium.

Os 737 MAX e 737 NG não foram afetados pelos possíveis problemas de fiação.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias