Nova falha descoberta no Boeing 737 MAX, diz CNN

Imagem: Divulgação / Boeing.

Segundo a CNN reportou com destaque nesta quarta-feira (26), uma nova falha foi descoberta no sistema de computadores do Boeing 737 Max, que poderia deixar o avião no chão por ainda mais tempo. Uma série de voos de simulador para testar o novo software desenvolvido pela Boeing revelou a falha, de acordo com uma das fontes.

As últimas versões do popular jato da Boeing estavam paradas desde março, depois de duas quedas – Lion Air 610 e Ethiopian 302 – terem vitimado 346 pessoas. Enquanto os acidentes permanecem sob investigação, relatórios preliminares mostraram que um novo sistema de estabilização falhou, fazendo com a aeronave descesse incontrolavelmente.

A Boeing anunciou que poderia quebrar a cadeia de eventos que levaram a ambos os acidentes através do desenvolvimento de uma solução de software que limitaria a atuação desse sistema de estabilização. Em testes recentes de simulador, descobriu-se que uma falha de microprocessador poderia continuar a empurrar o nariz do avião em direção a terra.

Não se sabe, no entanto, se o microprocessador desempenhou um papel em qualquer acidente. Ao testar a falha potencial do microprocessador em simuladores, “foi difícil para os pilotos de teste recuperaram a aeronave em questão de segundos”, disse uma das fontes. “E se você não pode recuperar em questão de segundos, isso é um risco razoável.”

Boeing 737 Max
MAX parados na fábrica de Renton

Engenheiros da Boeing estão tentando resolver o problema, o que levou a mais um atraso em conseguir liberar o 737 Max. “A segurança de nossas aeronaves é prioridade máxima da Boeing. Estamos trabalhando estreitamente com a FAA para retornar com segurança o MAX”, disse a Boeing em um comunicado.

As fontes dizem que os engenheiros da Boeing estão tentando determinar se a questão do microprocessador pode ser corrigida através de reprogramação do software ou se deverão ser substituídos em todos os 737 MAX já produzidos. Um porta-voz da FAA não confirmou ou negou a questão.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.