NTSB dá importante endosso à FAA rumo à certificação do Boeing 737 MAX

Por meio de uma nota, a Agência Nacional de Segurança dos Transportes dos EUA (NTSB) disse que as mudanças propostas pela Federal Aviation Administration (FAA) no Boeing 737 MAX foram um progresso positivo para a segurança da aeronave. A carta datada de 17 de setembro diz que as melhorias eram ‘geralmente consistentes’ com as recomendações do conselho do órgão de segurança.

O endosso é particularmente importante para a FAA, depois que o NTSB criticou a autoridade em setembro de 2019 por subestimar os riscos do Boeing 737 MAX durante os testes em voo. Na época, o conselho também criticou a FAA por certificar inadequadamente suas aeronaves no que diz respeito à interface humana.

O NTSB enviou os comentários que endossaram as mudanças recomendadas durante o período de consulta pública de 45 dias que ainda está aberto e se encerra no início de outubro.

Após revisar os comentários da NTSB e de qualquer outro ente da sociedade, a FAA terá que decidir se as correções serão aprovadas ou modificadas antes que o bloqueio da aeronave para voos comerciais seja retirado. 

Congresso culpa Boeing e FAA por mortes

Na semana passada, a investigação da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos culpou severamente o fabricante de aviões e a FAA por seu papel na queda de duas aeronaves Boeing 737 MAX, que causou a morte de 346 pessoas.

Após 18 meses de investigação, o Comitê de Transporte e Infraestrutura da Câmara publicou um relatório final de 239 páginas detalhando um “padrão perturbador de erros de cálculo técnicos e equívocos de gestão preocupantes feitos da Boeing” durante o desenvolvimento do 737 MAX, contando com uma supervisão falha por parte da FAA.

“A Boeing falhou em seu projeto e desenvolvimento do MAX e a FAA falhou em sua supervisão da Boeing e na certificação da aeronave”, afirma o relatório. “As falhas do MAX não foram o resultado de uma falha singular, erro técnico ou evento mal gerenciado. Eles foram a culminação de uma série de suposições técnicas incorretas dos engenheiros, uma falta de transparência por parte da administração da Boeing e uma supervisão grosseiramente insuficiente da FAA”.

O relatório do Comitê aponta para “projeto defeituoso e suposições de desempenho” feitas pela Boeing, especialmente no sistema MCAS. O fato de o sistema funcionar sem sensores não-redundantes, sua classificação como um sistema não-crítico e a suposição de que os pilotos seriam capazes de neutralizar um maufuncionamento são criticados. O relatório condena uma “cultura de ocultação” do fabricante, especificamente no que diz respeito à ausência de alerta de ângulo de ataque (AOA) discordante nas aeronaves entregues. A segurança do Boeing 737 MAX foi ainda mais prejudicada pela pressão da administração da empresa para manter a produção dentro do cronograma para competir com as novas aeronaves A320neo da Airbus e evitar quaisquer custos desnecessários.

A capacidade de fiscalização da FAA também é questionada. “A FAA falhou em exercer totalmente sua autoridade de supervisão e essa falha afetou negativamente a segurança”, diz o relatório. “A agência não fez perguntas ou examinou suficientemente as respostas da Boeing em relação a questões críticas relacionadas à certificação envolvendo treinamento de pilotos e projeto técnico”.

“Essas questões devem ser tratadas pela Boeing e pela FAA a fim de corrigir as práticas de certificação inadequadas que surgiram, reavaliar as principais premissas que afetam a segurança e aumentar a transparência para permitir uma supervisão mais eficaz”, conclui o Comitê.

Após a publicação do relatório, o Presidente do Comitê, Peter DeFazio, qualificou a certificação da aeronave como “incompreensível”. “Vamos tomar medidas em nossa legislação para evitar que isso aconteça novamente enquanto reformamos o sistema”, prometeu DeFazio.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Avião Airbus A320 LATAM

LATAM Peru tem data para retomar voos para o Brasil

0
Com o passar da Pandemia do Coronavírus, a subsidiária peruana da LATAM já programa a volta dos voos internacionais pelo continente.