O Jumbo 747-8 feito há 10 anos e nunca entregue tem seu destino definido

A longa história de um exemplar “renegado” da mais moderna versão de passageiros do icônico Jumbo Jet, o Boeing 747-8I, finalmente teve seu fim revelado.

Imagem: Paine Airport

Como temos acompanhado no AEROIN desde o início de 2020, o Jumbo de número de série 37826 e número de fabricação 1435 teve uma estranha história desde sua produção, há mais de dez anos no começo 2001, até os movimentos recentes pela Boeing.

Ele foi o segundo avião do modelo 747-8 Intercontinental a ser produzido na história, e fazia parte de um pedido de 20 unidades da companhia aérea alemã Lufthansa. Sendo o segundo exemplar, seria utilizado pela Boeing para testes de certificação e depois entregue à operadora.

Porém, por motivos nunca indicados, apenas os outros 19 Jumbos 747-8I foram entregues à Lufthansa, enquanto o 1435 foi estocado no deserto. Ele voaria com a matrícula D-ABYE, porém, ganhou brevemente a identificação N6067U, e depois a N828BA em 2014 quando foi armazenado.

Desde então, possou por idas e vindas entre a fábrica da Boeing e o deserto, até ser levado de volta às instalações da fabricante no começo deste ano de 2021, após ser vendido para um suposto cliente VIP não revelado.

Em março, o número de pedidos divulgado pela Boeing, referente ao mês de fevereiro, mostrava que entre os 82 jatos encomendados havia um 747-8I da variante de passageiros, atribuído a um cliente não identificado, que era exatamente o 1435, afinal, a empresa não produz mais a versão de passageiros do Jumbo e encerrará no ano 2022 também a versão de carga 747-8F.

Agora, finalmente, está definido para aonde vai o Jumbo que teve papel na certificação da variante -8 e depois por dez anos permaneceu renegado ao deserto.

Embora ainda não haja uma revelação de quem é o cliente em específico que adquiriu a aeronave, o 747-8I foi fotografado nesta semana com uma nova matrícula pintada em sua fuselagem, permitindo já saber para qual país ele deverá ser enviado em breve.

O prefixo “SU” da matrícula SU-EGY notada na imagem acima é exclusivo de aviões que são cadastrados junto à autoridade de aviação do Egito. E o próprio sufixo “EGY” também é bastante sugestivo, já que em inglês o nome do país é escrito como Egypt.

Assim sendo, muito possivelmente deverão surgir em breve novas informações sobre o paradeiro do Jumbo 1435, que será baseado no país que divide seu território entre os continentes africano e asiático.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Em nota, Azul diz o que ofereceu pela Latam e que...

0
A Azul emitiu uma atualização ao mercado sobre os recentes eventos acerca da proposta de combinação de negócios com a LATAM.