O primeiro Boeing 787-9 da Lufthansa já tem um nome: Berlim

Imagem: Lufthansa

A capital alemã terá um novo embaixador: a Lufthansa vai batizar seu primeiro Boeing 787-9 com o nome de “Berlim”. A cerimônia de batismo acontecerá após a entrega do avião no ano que vem, reportou nosso parceiro Aviacionline.

Berlim é o primeiro de cinco Boeing 787-9 Dreamliners que a Lufthansa adicionará à sua frota em 2022. O avião consome apenas 2,5 litros de combustível por passageiro por 100 quilômetros voados, 30% menos do que seus predecessores.

Desde 1960, a Lufthansa tem uma tradição de nomear suas aeronaves com nomes de cidades alemãs. Willy Brandt, chanceler da Alemanha Ocidental no final dos anos 1960 e 1970, homenageou a Lufthansa durante sua gestão como prefeito de Berlim Ocidental (1957-1966) ao nomear o primeiro Boeing 707 da empresa como “Berlim”. O mesmo nome foi atribuído a um Airbus A380 com o registro D-AIMI até sua retirada do serviço ativo.

“Berlim” terá o registro D-ABPA. O primeiro destino intercontinental programado para o 787-9 da Lufthansa será Toronto, o centro financeiro e hub do Canadá.

A Lufthansa e a capital alemã têm uma relação longa e especial. A empresa do pré-guerra foi fundada em Berlim em 1926 e cresceu para se tornar uma das principais companhias aéreas do mundo. Após o auge da Segunda Guerra Mundial e por 45 anos, apenas os aviões civis dos “aliados” conseguiram pousar na cidade dividida.

Desde a reunificação, a Lufthansa voou para Berlim por mais de 30 anos, e nenhum outro grupo de companhias aéreas voou com tantos berlinenses ao redor do mundo nas últimas décadas como a Lufthansa e suas empresas irmãs. Hoje, as companhias aéreas Grupo conectam a capital alemã com cerca de 260 destinos ao redor do mundo, seja com voos diretos ou por meio de conexões em um dos muitos hubs do grupo.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias