O que aconteceu com os jumbos Boeing 747 da Alitalia?

Boeing 747-200 com pintura da Bvlgari – Foto Luiz Neves

O futuro da tradicional empresa italiana Alitalia ainda está na balança. Enquanto a geração atual de administradores do grupo ainda batalha para tirar a empresa da corda-bamba, resolvemos dar uma olhada no que aconteceu lá no passado, com sua histórica aeronave Boeing 747, da qual a italiana operou 19 unidades.

O começo do modelo no grupo foi no início dos anos 1970, quando a Alitalia possuía duas versões do 747 ao mesmo tempo, todas recebidas direto da Boeing (exceto uma); eram as séries -100 e -200. Naquele momento, o foco principal foi na série -200, que possuía um maior peso máximo de decolagem e um motor mais potente, dando-lhe vantagem em alcance e tornando-o o mais adequado para voos de longo curso. 

Boeing 747-100 na Alitalia

Entre maio e julho de 1970, a Alitalia recebeu dois jumbos da série 100, de prefixos I-DEMA e I-DEME.

O primeiro foi batizado de Neil Armstrong e voou com a companhia aérea por mais de 11 anos antes de ser devolvido à Boeing, que a entregou à Hawaii Express. Segundo a AirFleets, ela foi parte de várias frotas depois disso, mas seu destino final foi com a TWA que a adquiriu em 1996. Quando a TWA cessou as operações, em 2001, a aeronave foi descartada.

Já o segundo -100 voou com a Alitalia pela metade do tempo do anterior e em 1976 foi entregue à irlandesa Aer Lingus. O último operador registrado da aeronave é a Continental Airlines, que a voou até 1990 e, depois disso, descartou-a.

747-200 decola de Guarulhos nos anos 1990 – Foto Luiz Neves

A série -200 na Alitalia

A Alitalia começou a adquirir seus 747-200 em 1971, um ano depois da chegada do primeiro da série -100, e continuou recebendo unidades até 1987, totalizando 17 aviões.

Em sua maior parte, essas aeronaves foram repassadas a outros operadores, no entanto, cinco eles tiveram um destino diferente. Eles foram armazenados para um possível uso futuro, que nunca aconteceu. São eles os I-DEMY, I-DEMG, I-DEML, I-DEMN e I-DEMP

Apesar de mantê-los parados, a Alitalia mais tarde percebeu que não precisava deles e os aposentou completamente em 2003, encerrando totalmente a propriedade do 747. As aeronaves foram então demolidas em Kinston, na Carolina do Norte.

I-DEMR da Alitalia Cargo em Campinas – Foto Luis Neves

Das 12 aeronaves restantes que a Alitalia repassou a outras transportadoras, cinco constam com status de armazenadas até hoje e nove já não voam mais, tendo sido totalmente sucateadas. É importante destacar que, mesmo estando com status de armazenadas, pode ser que elas nunca mais voem, dependendo da qualidade da célula de voo e do custo para reativação.

Dos que estão com status de armazenados, todos viraram cargueiros, mas quando voavam com passageiros, tinham os seguintes registros na Alitalia:

  • I-DEMC, armazenado pela Southern Air desde 2010
  • I-DEMD, armazenado com a Atlas Air desde 2009
  • I-DEMF, armazenado com a Atlas Air desde 2011
  • I-DEMT, armazenado com o Atlas Air desde 2010
  • I-DEMR é quinto da lista (fabricado em 1981 e o mesmo da foto acima), estava armazenado na The Cargo Airlines desde 2018. Em total condição de voo, ele está sendo repassado à Oscar Jet de Moldova, onde receberá o prefixo ER-BAR e entrará em serviço a partir de novembro de 2019.

747-200 que seguiram para outras operadoras

Acima vimos que, dos 17 aviões 747-200, cinco foram armazenados pela Alitalia e outros cinco por operadoras cargueiras diversas. Restam nove. 

Dessas, quatro foram entregues diretamente à Boeing depois que a Alitalia terminou seu uso, são eles o I-DEMO, DEMU, DEMB e DEMS. Todos eles foram repassados pela Boeing a outras empresas aéreas, exceto o I-DEMS que foi aposentado de imediado. Todas as aeronaves já foram sucateadas.

Jumbo promocional dos chocolates Bacci – Foto Luis Neves

Os três últimos da lista são:

O I-DEMV esteve na Alitalia por um ano, entre 1985 e 1986, antes de ser alugado à Egyptair em julho de 1986. Em seguida, voltou à Alitalia em 1987, onde permaneceu até 2003, quando foi entregue à Boeing. Ele alcançou seu destino final em 2006, quando foi entregue à Air Atlanta Icelandic, que a descartou em fevereiro daquele ano.

O I-DEMW, chamado Spoleto, esteve ativo com a Alitalia por 10 anos antes de ser entregue à Atlas Air como uma aeronave de carga. Foi então alugado novamente pela Alitalia como cargueiro em 2002 e armazenado em 2004. Passou pela Air Atlanta Icelandic e depois pela Southern Air que depois descartou a aeronave.

O I-DEMX é único que não veio da Boeing direto para a Alitalia. Ele foi adquirido da Lufthansa em 1992 para uma curta operação de dois anos antes de ser devolvido, já como cargueiro. Terminou a carreira na Evergreen International em 2005.

Hoje eles não voam mais. Gradualmente, a Alitalia os trocou por Boeing 777 e Airbus A330 nos voos de longo alcance.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.