O surpreendente êxodo dos aviões fugindo do furacão Dorian

Êxodo Dorian
Captura da tela do FR24 feita na tarde desta quinta-feira (29)

Enquanto o furacão Dorian se aproxima da Flórida, os campi universitários de todo o estado começam a fechar em preparação para a grande tempestade. No campus da Embry-Riddle em Daytona Beach, um dos maiores dos EUA, não é diferente. Fechado nesta semana para oferecer aos alunos e professores tempo suficiente para escapar, eles agora precisavam decidir o que fazer com a frota de mais de 70 aeronaves da escola.

Enquanto trabalhava em estreita colaboração com os meteorologistas da universidade para ficar de olho na tempestade, o departamento de voo estabelecia um grande plano de evacuação, para ser usado em caso de necessidade, à semelhança do que aconteceu em 2017 com o furacão Irma e em 2016 com o Matthew.

NOAA Furacão Dorian
Caminho do Dorian – fonte NOAA

O protocolo de evacuação consiste em analisar o fenômeno antes de tomar a decisão. Quando se trata de uma tempestade tropical comum, os aviões são mantidos no hangar em Daytona, mas quando é um furacão, eles são enviados para outro lugar, por segurança. Como o Dorian tem ganhando força na medida em que se aproxima do continente, a escola foi obrigada tomar a decisão mais difícil: evacuar.

Como tirar tantos aviões de uma só vez

A Flórida não é um estado fácil de evacuar, pois existe apenas uma maneira de entrar e sair. Se a equipe da universidade esperasse muito tempo para tentar enviar a frota, eles concorreriam com todas as outras aeronaves que tentavam deixar o estado também, causando um caos. Após uma coordenação cuidadosa com o serviço de controle de tráfego aéreo, o êxodo começou nesta sexta-feira, 30 de agosto.

“Coordenamos com a torre Daytona e os centros de Jacksonville e Atlanta, para que houvesse pessoal suficiente para lidar conosco”, disse Ken Byrnes, presidente do Departamento de Voo. Com cerca de três a cinco minutos de separação entre os voos, a frota da ER deixou Daytona pilotada por seus instrutores rumo ao noroeste, em segurança.

Embri-Riddle frota Cessna 172
Parte da frota da Embri-Riddle em Daytona, num dia normal de verão

O Daytona Beach Campus da Embry-Riddle realocou, ao todo, 67 pequenas aeronaves para o Alabama, onde os aviões serão hospedados pela Auburn University (58 aeronaves Cessna 172) e pela Golden Eagle Aviation (9 aeronaves DA-42 Diamond). “Somos tremendamente gratos aos nossos anfitriões por fornecer um refúgio seguro para a frota Embry-Riddle. E gostaria também de agradecer a todos os instrutores-pilotos dedicados, cujo compromisso com a segurança e o profissionalismo nos inspira a todos”, concluiu Byrnes. Os aviões vão permanecer por lá até a tempestade passar.

Dois anos atrás, a Embri-Riddle fez um vídeo da operação de fuga do furacão Irma, uma das tempestades mais fortes a atingir a Flórida. Confira toda a complexidade da operação.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.