Oficiais do Catar que fizeram exame ginecológico em passageiras descumpriram a lei local

Após uma grande polêmica se formar em torno dos exames ginecológicos invasivos no Catar antes de um voo, após agentes encontrarem uma bebê abandonada no banheiro do aeroporto de Doha, o governo local condenou a atitude de seus oficiais.

Divulgação – Qatar Airways

Tudo aconteceu no último domingo (26) após um bebê prematuro ter sido encontrado abandonado no banheiro do terminal do Aeroporto Internacional de Doha, capital e principal cidade do pequeno país árabe. O que aconteceu daí em diante causou comoção e revolta em todo o mundo, tanto em relação ao abandono do pequeno indefeso, quanto ao abuso com as passageiras.

Após terem encontrado o bebê, as autoridades do Catar não permitiram o embarque de nenhuma mulher adulta em idade fértil no voo QR908 da Qatar Airways com destino a Sydney, até que elas fizessem um minucioso exame em pleno aeroporto. Além disso, posteriormente ficou constatado que mulheres de outros dez voos foram examinadas na busca por aquela que tivera o parto do banheiro.

O número exato não se sabe, mas dezenas de mulheres examinadas, sendo 13 delas australianas, o que causou um incidente diplomático após a Austrália condenar veementemente a atitude das autoridades catarianas.

As mulheres foram examinadas em busca de sinais de parto recente e uma das passageiras disse que as autoridades “forçaram-nas a tirar a roupa íntima para um exame genital em uma ambulância no pátio. Além das 13 australianas, mulheres de outros países também foram detidas e submetidas a inspeções”, segundo reportou a BBC.

Agora, o Primeiro-Ministro do Catar Khalid bin Khalifa Abdulaziz Than veio a público pedir desculpas, afirmando que os procedimentos operacionais não foram seguidos e que “os responsáveis por essas violações e ações ilegais foram encaminhados ao Ministério Público”.

Em nota, o governo do Catar prometeu uma investigação profunda e independente, e que os atos feitos por seus oficiais não representam os valores do país.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias