Quais os planos da Azul para os aviões Cessna C208 da TwoFlex?

ANÁLISE – Uma notícia pegou a todos de surpresa no dia de ontem: a Azul comprando a TwoFlex, uma forte parceira da GOL. Mas, quais poderiam ser os planos da Azul para a Two?

Cessna Azul TwoFlex
Concepção artística do C208 na cores da Azul

A TwoFlex é uma empresa de táxi-aéreo baseada em Jundiaí que conta atualmente com 18 aviões turboélice Cessna C208 Grand Caravan, nas variantes de passageiros e carga. Seu negócio original esteve baseado em fretamentos, como de passageiros, malotes, carga e, mais recentemente, a empresa encontrou um nincho de mercado que pareceu promissor: o de voos regionais sob contrato com a GOL e governos locais.

Apesar da parceria com a Gol parecer estar progredindo, as parcerias com o governo não tiveram tanto sucesso até agora. No passado, entrou no projeto VoeMinas, junto ao governo daquele estado, com voos do Aeroporto da Pampulha para o interior do estado, no entanto, a falta de conectividade acabou tornando o projeto inviável.

Hoje, a TwoFlex atende 186 cidades, sendo que 39 delas através de voos regulares e com pouquíssima sobreposição com os voos da Azul. Para se ter uma ideia, do total de 39 destinos, em apenas três a Azul opera. Outras informação importante refere-se às bases em que a TwoFlex opera, incluindo Belém, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre. Coincidentemente, todas estas cidades são hubs ou mini-hubs da Azul, além de Jundiaí, onde fica sua sede, ser próxima de Campinas.

Como abordamos anteriormente, aviões turboélices de menor capacidade são indutores para aviões maiores, inclusive jatos. A Azul sabe bem disso e inclusive deverá usar isso a seu favor: ” É importante ficar claro que os Caravan não irão substituir o ATR, pelo contrário, são frotas complementares e juntas promoverão crescimento adicional” afirmou John Rodgerson, CEO da companhia.

Slots em Congonhas

Diversos leitores nos questionaram sobre a questão dos slots em Congonhas, no qual a TwoFlex possui 14 diários para operação na pista auxiliar do aeroporto mais central de São Paulo. Ainda não está claro como a Azul usará esses slots, mas apostamos no encerramento das atuais rotas, como a Ponte-Barra (ou sua diminuição), para dar lugar à operação de ATR72 em rotas mais rentáveis.

Hoje, a pista auxiliar não recebe jatos de grande porte e, inclusive, Passaredo e MAP (hoje Voepass) ganharam slots na pista principal para operar com seus ATR. À época, Azul, Gol e Latam alegaram que os ATR deveriam operar na pista auxiliar por serem mais lentos. Mas a ANAC não levou à frente o questionamento e manteve os slots na pista principal, embora isso não seja um impeditivo para que os ATR da Azul aproveitem os slots da Two e operem na auxiliar, que é 500 metros menor.

Com o ATR em Congonhas pode ser a oportunidade para Azul bater de frente com a Voepass nos voos para o interior paulista e do Rio de Janeiro. Isso deve acontecer em breve, porque até a aprovação pelas autoridades, a TwoFlex continuará operar os voos com o Caravan, inclusive a Ponte Aérea comercializada pela GOL.

AzulCargo na proa

Outro ponto citado por John é o setor de cargas. A TwoFlex possui vários contratos com empresas, desde a indústria farmacêutica até transportadora de valores. Conectar a já extensa malha cargueira da empresa com a da Azul Cargo será um grande ganho para ambas. A divisão cargueira da Azul está crescendo muito nos últimos tempos e a previsão para 2020 é ainda maior com a parceria com o MercadoLivre.

As lojas da AzulCargo estão por todo Brasil e são mais de 200 pontos, inclusive em cidades que não são atendidas pela Azul, mas que agora podem ser pelos Cessna Caravan da Two.

A estratégia pode ser similar à da americana FedEx, empresa que ajudou a idealizar o projeto Caravan na Cessna, tido hoje como o monomotor turboélice mais vendido e confiável do globo. A cargueira americana voa para 375 destinos, sendo muitos destes são atendidos pelos 238 Caravan, que passa a carga para aviões maiores como o ATR, Boeing 757 e Airbus A300.

Na melhor projeção, a Azul futuramente pode até arriscar comprar o Cessna SkyCourier e alguns ATR 42-600S.

Conte-nos. E você, o que você acha disso tudo?

Carlos Martins

Despertou a paixão pela aviação em 1999 em um show da Esquadrilha da Fumaça. Atualmente é Piloto Comercial, Despachante, Bacharel em Ciências Aeronáuticas, membro da AOPA e veterano da Western Michigan University #GoBroncos