Início Acidentes e Incidentes ‘Outro 737 MAX pode cair’, dizem familiares de vítimas ao exigirem troca...

‘Outro 737 MAX pode cair’, dizem familiares de vítimas ao exigirem troca dos líderes da FAA

Mais de 900 pessoas, entre familiares e amigos que perderam entes queridos na queda do jato Boeing 737 MAX em março de 2019 na Etiópia, assinaram uma carta exigindo que o presidente Joe Biden e o secretário de transportes Pete Buttigieg substituam o administrador Steven Dickson, o Diretor de Segurança Ali Bahrami e outros líderes importantes da Administração Federal de Aviação (FAA).

A demanda foi entregue ao Departamento de Transporte (DOT) hoje em uma reunião entre os principais funcionários do DOT e vários familiares da França, Irlanda, Canadá e EUA das vítimas do voo ET302. As famílias expressaram decepção com o fato de a administração ainda não ter mudado a equipe gerencial “disfuncional e pró-indústria” existente na FAA, e clamam que isso deve ser feito para restaurar a confiança na agência. A reunião matinal durou bem mais de uma hora.

Em um seguimento da carta assinada, os membros das famílias das vítimas pediram que “altos funcionários sejam substituídos porque perderam a confiança das famílias e amigos, do Congresso, do público que voa, dos engenheiros da FAA e dos reguladores internacionais”. Eles também afirmam que outro 737 MAX ainda pode cair, pois “o risco de uma terceira queda não é trivial”.

Veja a seguir o conteúdo integral da carta entregue hoje ao governo americano.

“Caro presidente Biden e secretário Buttigieg:

As famílias e amigos abaixo assinados das vítimas do acidente ET302 solicitam que você substitua a alta administração da FAA e instale uma nova liderança em posições-chave. A FAA esteve, e continua a estar, mais interessada em proteger a Boeing e a indústria da aviação do que na segurança.

Uma nova equipe deve substituir o administrador Steve Dickson, Ali Bahrami (administrador associado para segurança da aviação); Earl Lawrence (Diretor Executivo, Serviço de Certificação de Aeronave) e Mike Romanowski (Diretor da Divisão de Política e Inovação, Serviço de Certificação de Aeronave).

Esses altos funcionários devem ser substituídos porque perderam a confiança das famílias e amigos do ET302, do Congresso, do público que voa, dos engenheiros da FAA e dos reguladores internacionais. Estamos surpresos e desapontados por eles não estarem entre os remanescentes da administração anterior que foram substituídos.

Lapsos graves da FAA após a queda do voo JT610 em 29 de outubro de 2018 resultaram na permanência do mortal Boeing 737 MAX 8 em serviço sem corrigir seus problemas de segurança. O Comitê de Revisão Técnica das Autoridades Conjuntas e outros órgãos de investigação identificaram muitos problemas da FAA que não foram corrigidos. Pesquisas internas da equipe da FAA revelaram que a administração da agência favorece os interesses do lucro da indústria em vez da segurança.

O Boeing 737 MAX 8 continua a ser um avião perigoso com vários pontos únicos de falha. O engenheiro da FAA Joe Jacobsen ainda classifica o avião recertificado como “D” ou “F”. Sistemas críticos que são legados de aeronaves mais antigas que não atendem às regras de segurança modernas permanecem no MAX, incluindo o controle de leme de cabo único.

Vários senadores chamaram a FAA de “agência capturada”. Os representantes DeFazio e os senadores Cantwell e Wicker declararam que a FAA obstruiu suas investigações e se engajou em um relacionamento adverso prolongado com seus comitês.

Os funcionários da FAA declararam pública e privadamente que a administração da agência, incluindo aqueles que desejamos substituídos, favorece a indústria em vez da segurança. E o pessoal da FAA conduzindo os esforços de recertificação do MAX impediu a participação de engenheiros experientes nos sistemas sob investigação.

Outros funcionários da FAA testemunharam perante o Comitê de Transporte e Infraestrutura da Câmara que os gerentes da FAA rejeitaram as quase unânimes solicitações de engenharia para corrigir os sistemas do MAX.

O ex-gerente sênior da Boeing Ed Pierson, que ajudou a administrar a linha de produção do MAX, descreveu um processo de produção caótico e pouco confiável na Boeing e que ele nunca viu os inspetores da FAA no chão de fábrica.

O administrador Dickson prometeu transparência para nós e para o Congresso, mas essa promessa acabou sendo uma mentira. As famílias do voo ET302 solicitaram documentos da FAA sobre o retorno do MAX ao serviço por vários meios, incluindo o Freedom of Information Act (FOIA). Não recebemos nenhum documento em resposta. A FAA tem lutado vigorosamente contra a entrega de informações ao FlyersRights.org, que emitiu um pedido semelhante de documentos.

O Sr. Dickson não deu ouvidos aos denunciantes na FAA e continuou empregando os Srs. Bahrami, Lawrence e Romanowski, que não agiram após a queda do JT610. Ele também foi um ator material em um terrível caso de retaliação de delator contra a Delta, seu ex-empregador, no qual uma indenização por danos muito grande foi emitida por um juiz de direito administrativo.

Patrick Ky, o Diretor Executivo da Agência Europeia de Segurança da Aviação, declarou a alguns membros da família do ET302 que o objetivo dos funcionários da FAA após a queda do ET302 era retornar o MAX ao serviço no verão de 2019. Quando a EASA exigiu mais informações sobre sistemas além do MCAS, o pessoal da FAA queixou-se de que eram “burocratas europeus”.

O relatório do Senado concluiu que os líderes da FAA se envolveram na obstrução da revisão do DOT Office of Inspector General sobre os acidentes do 737 MAX. Também determinou que a FAA falhou em responsabilizar os funcionários por lapsos na supervisão e certificação do MAX.

O Sr. Bahrami testemunhou surpreendentemente ao presidente DeFazio que ele não tinha conhecimento de uma avaliação de risco que projetava mais 15 quedas após o voo JT610. Uma pesquisa interna da FAA realizada no final de 2019 revelou que os funcionários da FAA temiam retaliação da administração ao relatar questões de segurança.

Como você sabe, é típico que um novo presidente e secretário instale a liderança de sua própria agência ao assumir o cargo. A urgência é particularmente grande porque há avisos claros e diretos de que o MAX ainda não é seguro, em grande parte porque a equipe de liderança favorece a indústria que muda apenas o suficiente para permanecer a mesma. O risco de uma terceira queda não é trivial.

A FAA precisa de uma nova administração para colocar os interesses do público que via acima dos interesses de lucro da Boeing e da indústria da aviação. Vocês têm o direito e o dever solene de instalar novas lideranças na FAA. O mundo está olhando para nós; a credibilidade da supervisão da aviação dos EUA está em jogo. Solicitamos veementemente que o faça.

Sinceramente,

Famílias e amigos das vítimas do ET302.”

As informações são dos Escritórios de Advocacia Clifford, que representam os familiares das vítimas do acidente