O país que comprou um Airbus A330F após lições da Covid-19

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Avião Airbus A330-200F A330F
Imagem: Airbus

Uma aeronave de carga Airbus A330-200F foi adquirida pelo Ministério de Relações Exteriores e Comércio da Hungria, com o objetivo de possuir um meio próprio de lidar com as necessidades de transportes urgentes de suprimentos, como a verificada nestes tempos da pandemia de Covid-19.

Ao portal local Origo, o Ministério disse que uma das grandes lições da primeira onda do coronavírus foi que a Hungria deveria ter capacidade adequada de frete aéreo.

De acordo com o Ministério, isso é essencial, pois desta forma pode-se garantir que no futuro, em caso de epidemia ou outra tarefa, todos os meios necessários para a defesa cheguem a tempo ao país.

Após um exame completo das opções, o Ministério decidiu comprar uma das aeronaves Airbus A330-200F da Qatar Airways. Não foram fornecidas informações sobre o preço de compra. O preço de tabela de fábrica para as novas aeronaves A330F é de US$ 241,7 milhões, de acordo com dados de 2018 da Airbus.

A aeronave não será operada sob registro militar, mas pela companhia aérea húngara Wizz Air. Sua capacidade de carga ociosa, quando não houver demanda estratégica do governo, será vendida no mercado por uma corretora especializada, gerando receita ao país.

Um dos principais motivos de operar sob um registro civil é facilitar as obtenções de autorizações de voo e pouso necessárias, especialmente em países do Extremo Oriente, que possuem ressalvas para aeronaves militares.

Airbus A330-200F Qatar Cargo
Airbus A330-200F

A aeronave escolhida

A aeronave adquirida pelo Ministério das Relações Exteriores da Hungria foi a de número de série MSN 1578, registrada no Qatar sob a matrícula A7-AFF.

Esta aeronave Airbus A330-243F foi fabricada em 2014 em Toulouse, na França, e fez sua primeira decolagem em 31 de outubro daquele ano, sendo entregue à Qatar Airways em 24 de novembro.

O último voo comercial do A7-AFF pela Qatar Cargo ocorreu de Basel para Doha em 15 de julho de 2020, tendo então passado por manutenção até 21 de julho e sido rebocado para um local de armazenamento no aeroporto.

Desde então, a aeronave ficou estocada até a última segunda-feira, dia 31 de agosto, quando realizou um voo local de teste de cerca de duas horas, possivelmente em preparação para a entrega à Hungria.

FlightRadar24 Voo A330-200F Qatar Hungria
O voo de teste do A7-AFF no dia 31 de agosto – Imagem: FlightRadar24

O Airbus A330-200F

A fabricante europeia Airbus não recebe desde 2015 pedidos de seu único cargueiro em produção, quando a Turkish Airlines comprou quatro unidades do A330-200F.

Nos últimos dez anos, ou seja, desde seu lançamento, a versão cargueira da família A330 foi capaz de conseguir menos de 50 aeronaves encomendadas, e apenas 38 foram efetivamente entregues. A última vez que a Airbus entregou um exemplar do modelo foi em fevereiro de 2017 para a Etihad Airways.

O A330F é um derivado para cargas do A330-200, capaz de transportar 65 toneladas a uma distância de 7.400 km, ou 70 toneladas a 5.900 km.

No Brasil, apenas uma unidade já foi operada. A divisão cargueira da Avianca Brasil utilizou o A330-200F de número de série MSN 1506 e matrícula PR-ONV desde o recebimento direto da fábrica, em 2014, até o fim das operações da companhia brasileira, em 2019.

Desde então, a aeronave segue voando como N336QT na Avianca Cargo da Colômbia, ainda dando as caras em voos internacionais da empresa de/para o Brasil.

Avianca Cargo Airbus A330F

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

British Airways recebe sugestão de mudar de nome após apoiar time...

0
Um post aparentemente inocente do time de mídias sociais da British Airways deu o que falar e gerou uma enorme discussão no Twitter