Pandemia obriga Qantas a fazer voo comercial de 17 horas com Airbus A380

A empresa australiana Qantas anunciou ontem (24) que, à luz das restrições impostas pelos governos mundiais no combate à disseminação da Covid-19, passará a operar voos com Airbus A380 sem escalas entre a Austrália e Londres. É a primeira vez que os dois países são conectados pelo maior avião de passageiros do mundo em um voo direto.

Foto: Airbus

Tal feito foi necessário porque a Qantas decidiu continuar a operação do voo Sydney-Londres até 26 de março, antes de suspender o serviço, seguindo as restrições de voo impostas pelos governos dos países. No entanto, tal rota era operada via Cingapura, onde a Qantas também tinha direitos de quinta liberdade no trecho Cingapura-Londres, o que significa que os passageiros podiam comprar bilhetes para voar apenas entre Cingapura e Londres.

Devido à expansão do Covid-19, Cingapura restringiu as viagens através do aeroporto internacional de Changi, permitindo apenas que as pessoas desembarquem ou embarquem no aeroporto, proibindo passageiros em trânsito. Isso significa que os passageiros que embarcam na Austrália não conseguiriam se conectar a Londres, mas seriam forçados a encerrar suas viagens em Cingapura.

Rota mais longa do A380 da Qantas

Para concluir os voos que já estavam programados, a Qantas teve que tomar uma medida extraordinária à luz das restrições de Cingapura, e decidiu operá-los com uma parada em Darwin, no extremo norte australiano, antes de seguir para quase 17 horas de voo rumo a Londres.

Essa nova escala leva a Qantas a estabelecer três marcos: o da primeira vez que Darwin recebe o modelo em um voo comercial, da primeira conexão Austrália-Londres e de voo mais longo da Qantas com o A380, cerca de 64 quilômetros a mais do que o serviço atual entre Sydney e Dallas.

São 18.872 Km entre Darwin e Londres

Apesar da alteração, os passageiros não poderão reservar voos apenas entre Sydney e Darwin no A380, pois a escala de Darwin será apenas para reabastecimento. A aeronave ficará no solo por uma hora e 45 minutos no voo de partida e por 90 minutos no voo de retorno.

Após o voo de volta em Londres, em 27 de março, os voos da Qantas entre Sydney e Londres deixarão de operar, pois a companhia aérea interromperá todos os voos internacionais até que a crise da Covid-19 passe.

O voo mais longo do mundo operado por um A380 é da Emirates, na rota Dubai-Auckland, na Nova Zelândia.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

Comentários estão fechados.