Jato da Embraer pode se tornar nova plataforma de guerra marítima

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Enquanto a Força Aérea Brasileira moderniza seus aviões P-3 da década de 1950, o governo do Paquistão decidiu ir em outra direção e começar a substituí-los por equipamentos mais modernos. E um dos escolhidos teria sido um jato da Embraer.

Embraer Lineage 1000
Lineage 1000 – Imagem: Embraer

Segundo reportou o Defense News, o chefe da marinha do Paquistão, almirante Zafar Mahmood Abbas, anunciou no último dia 6 de outubro que o país substituiria sua frota de aeronaves de patrulha marítima, atualmente composta pelos Lockheed P-3C Orion (baseados nos Electras), por 10 jatos comerciais adaptados.

Toda essa substituição de frota será feita de forma gradativa e esse programa se encontra ainda em estágios iniciais, de forma que até agora apenas 1 aeronave teria sido encomendada, e esta teria sido o modelo Embraer Lineage 1000 (executivo baseado no E190). A mídia paquistanesa, entretanto, informa que nem a Embraer, nem o próprio governo paquistanês, confirmam que o Lineage foi realmente escolhido.

A marinha paquistanesa pretende transformar o avião em uma plataforma adaptada para operação de guerra marítima anti-submarina. Inclusive o Paquistão já teria até batizado sua nova aeronave, que, quando convertida, se chamará ‘Sea Sultan’ (Sultão do Mar).

A intenção de transformar uma aeronave comercial em uma adaptada como plataforma de guerra é muito desafiadora, porém não inédita. Douglas Barrie, um analista aeroespacial do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos comentou que o P-8 dos EUA, por exemplo, é um derivado do Boeing 737-800.

Avião Boeing P-8A Poseidon US Navy
Boeing P-8A dos EUA – Imagem: aceebee / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

O analista apontou também os desafios da transformação. Segundo ele, a gestão de riscos será de extrema importância, “principalmente se o transporte interno de armas for necessário, onde um compartimento de bomba precisará ser cortado na fuselagem”, acrescentou Barrie.

Barrie falou ainda que muito provavelmente a fabricante brasileira será convocada para auxiliar a marinha na conversão das aeronaves, “caso contrário, os desafios serão ainda maiores”.

A relação entre a fabricante brasileira e o governo paquistanês já vem de longa data. Em 2009, por exemplo, a Embraer entregou a primeira aeronave de uma encomenda de quatro Phenom 100 para as Forças Aéreas do país asiático.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Claudio Brito
Apaixonado por aviação desde o berço como filho de comissário de bordo, realizou o sonho de criança se tornando comissário em 2011 e leva a experiência de quase 10 anos no mercado da aviação. Formado Trainer em Programação Neurolinguística, conseguiu unir suas duas paixões, comunicação e aviação.

Veja outras histórias