Paris fecha duas pistas do seu maior aeroporto para estocar aviões

A autoridade que administra os aeroportos da capital francesa emitiu um NOTAM (Notice do Airmen) informando que, a partir do dia 23 de março, duas das quatro pistas do principal aeroporto de Paris serão fechadas por um motivo inédito: armazenar aviões parados em razão da queda na demanda por viagens causada pela Covid-19.

Foto de Greenboost / Public domain

As informações foram publicadas nos canais internacionais de divulgação de notícias aos aviadores em 19 de março e afirma que as pistas 08R/26L e a paralela 08L/26R serão fechadas de 23 de março até 28 de maio. Ambas as pistas estão localizadas no lado sul do aeroporto internacional Charles de Gaulle. 

Mas as medidas francesas não acabaram por aí, o aeroporto de Orly, o segundo maior a atender Paris, também está fechando uma de suas pistas, a mais curta delas 20/02, entre 18 de março a 18 de abril, de acordo com um outro NOTAM.

Os aeroportos, por sua vez, permanecem abertos, embora com alguns dos seus terminais permanecerão fechados.

Vista aérea do Charles de Gaulle em Paris – Google Maps

Maior usuária

A maior usuária do Charles de Gaulle, Air France, que já cortou 90% dos seus voos, diz que está adaptando seus horários de acordo com as restrições do governo, mas planeja manter vários serviços internacionais a fim de repatriar franceses e outros cidadãos europeus.

A Air France diz que a rede reduzida inclui 14 cidades europeias, cinco nas Américas, cinco na África e uma na Ásia. Também cobrirá 17 destinos domésticos e algumas rotas de províncias francesas no exterior.

O grupo disse que a redução está prevista para durar dois meses e, segundo o Flight Global, a Air France irá parar toda a sua frota A380, assim como a KLM já anunciou a aceleração da aposentadoria dos Boeings 747, que deveriam ter sua retirada concluída somente em 2021.

Em comunicado, o grupo Air France-KLM informa:

“A crise de Covid-19 continuou a se espalhar nos últimos dias, levando muitos países a tomar medidas cada vez mais rigorosas na tentativa de diminuir a taxa de propagação da epidemia.

Alguns países impuseram restrições ao movimento de viajantes da França, Holanda ou mais amplamente da Europa.

Na França, a transição para uma emergência de saúde pública de nível 3 exige o fechamento de todos os serviços não essenciais desde o último final de semana.

Diante dessas crescentes restrições à possibilidade de viajar e de uma forte tendência de queda na demanda, que resultou em uma queda no tráfego e nas vendas nas últimas semanas, o Grupo Air France-KLM é obrigado a reduzir gradualmente sua atividade de voo de maneira significativa nos próximos dias, com o número de assentos-quilômetro oferecido (ASK) potencialmente diminuindo entre 70% e 90%”.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.

Comentários estão fechados.