Passa pelo o Brasil o A321neo que a Avianca devolve após 3 anos de uso

A colombiana Avianca devolveu nesta semana um Airbus A321neo praticamente seminovo, com apenas 3 anos de uso, e o jato passou por terras brasileiras antes de seguir seu caminho.

Foto gentilmente cedida

De matrícula N761AV, este avião foi o segundo A321neo a ser recebido pela empresa colombiana e marcava a renovação da frota da empresa, já que o avião conta com motores CFM LEAP, até 30% mais econômicos que a geração anterior. A aeronave foi entregue em outubro de 2017, mas estava estocada desde março do ano passado, em decorrência da pandemia assim como pela grave crise financeira que a Avianca atravessou.

Enquanto passa por uma nova reestruturação no caminho de sair do processo de Chapter 11 da Lei Americana, a empresa também ajusta sua frota, resultando na devolução desse jato novinho.

Dados do voo para Fortaleza – RadarBox

A aeronave decolou na tarde de ontem (2) de Medellín e chegou no início da noite em Fortaleza, já sem os logotipos da Avianca, mantendo apenas a bandeira colombiana e a pintura da cauda, além dos adesivos nos winglets e a carenagem vermelha do motor, como mostra o flagra feito por Juan Cosmo, que nos enviou a foto.

Da capital cearense o jato seguirá para Tenerife nas Ilhas Canárias e de lá para a Europa, sem destino definido ainda. Não se sabe se o jato será repassado para outra empresa, segundo dados da americana FAA (já que a aeronave é registrada nos EUA), o aviso de exportação do Airbus ainda não foi feito, dando indícios que irá continuar ainda sob a tutela do lessor, no caso o banco americano Wells Fargo.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Embraer apresenta novo turboélice nos EUA, mas com menos assentos

0
O novo turboélice da Embraer foi apresentado hoje para empresas aéreas americanas, mas com menos assentos que o anunciado ao público.