Passageira é contida com arma de choque em voo após falta de máscara e agressões

Um voo da Spirit Airlines teve momentos de tensão e “eletrizantes” quando uma passageira precisou ser contida após tirar a máscara e provocar os demais passageiros e profissionais da empresa aérea.

O voo NK-2322 de Newark para San Juan, em Porto Rico, foi o palco da confusão. Em determinado momento, a passageira Nyasy Veronique Payne e mais três pessoas que a acompanhavam se recusaram a usar máscara e a retiraram em pleno voo. Testemunhas relatam que elas, inclusive, agiam de maneira provocativa, mudando de lugar e disparando frases contra o uso da cobertura facial.

As coisas ficaram realmente tensas após a aeronave ter pousado em Porto Rico, quando outros passageiros começaram a devolver as provocações e a xingar as passageiras desobedientes, segundo reporta o portal AirLive.

Após uma discussão verbal, no calor do momento, a passageira Nyasy deferiu um soco em outro passageiro e precisou ser contida pela polícia que havia sido acionada pela tripulação e, nesse momento, já estava a bordo. Mesmo assim ela insistiu, subiu no banco e tentou agredir o passageiro.

Diante da situação duas policiais sacaram a arma Taser (pistola de choque) e apontaram na direção da passageira descontrolada. Sem sucesso na negociação, as agentes dispararam e isso conteve um pouco a passageira, apesar dela ainda continuar resistindo.

Sem ter como reagir e se sair bem daquela situação, a passageira que criou a confusão foi desembarcada pela polícia junto de seus acompanhantes. O último reporte dá conta de que ela está presa e que a fiança de $150 mil dólares ainda não foi paga.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Problema elétrico e nos flaps do avião levam voo da Azul...

0
A Azul Linhas Aéreas registrou um reporte nos sistemas de informação do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA)