Passageiro capta o momento em que motor do avião emite chamas logo ao decolar

Momentos da decolagem, em cenas do vídeo abaixo

Uma pane com um avião comercial logo após a decolagem levou à ocorrência de emissão de labaredas e estrondos por um de seus motores, tendo um passageiro registrado em vídeo o momento.

Segundo informações do The Aviation Herald, a aeronave envolvida na gravação que você assistiu acima foi o Boeing 737-800 registrado sob a matrícula HP-1532CMP, operado pela Wingo, uma companhia aérea colombiana de baixo custo que pertence ao grupo panamenho Copa Airlines.

O avião estava realizando o voo P5-7436, que partiu de Medellín, na Colômbia, para Punta Cana, na República Dominicana, na manhã deste último sábado, 16 de outubro, quando o incidente aconteceu.

O 737-800 decolou da pista 01 de Medellín às 10h18 do horário local quando, nos segundo iniciais da subida, o motor esquerdo começou a emitir estrondos e chamas intermitentes, levando a tripulação a parar a subida a 13.000 pés (3.960 metros) e iniciar um retorno ao aeroporto.

O Boeing 737 fazendo a curva para o retorno – Imagem: FlightRadar24

Pode parecer estranho os pilotos terem subido até a altitude de 13.000 pés após um problema de motor logo no começo do voo, porém, vale lembrar que este valor é determinado em relação ao nível do mar. Medellín está a cerca e 7.000 pés (2.130 metros) de altitude, portanto, em relação à pista do aeroporto o Boeing 737 subiu apenas até 6.000 pés (1.830 metros).

Os pilotos efetuaram um percurso nas proximidades do aeroporto e então iniciaram a aproximação para um pouso seguro na pista 01 cerca de 25 minutos após a partida. Note como, mesmo diante de um problema com um dos motores, os pilotos tiveram plena capacidade de continuar subindo e efetuar todo o trajeto de retorno sem intercorrências, já que aviões comerciais bimotores são capazes de voar mesmo se um motor estiver completamente desligado.

O Boeing 737 permanece em solo até a manhã deste domingo, quase 24 horas após a ocorrência. Até o momento da publicação desta matéria, não havia informações conhecidas sobre o que teria levado à emissão das labaredas pelo motor. O fenômeno pode ser causado, por exemplo, por ingestão de um objeto ou por pane no próprio funcionamento do sistema de propulsão, entre outros.

Segundo a mídia colombiana, a companhia aérea Wingo emitiu um comunicado no qual afirma que “conforme indicado em nossos manuais de segurança, ativamos os protocolos necessários para este tipo de episódios, incluindo o retorno da aeronave ao aeroporto de origem. Nossos pilotos, que estão totalmente treinados para lidar com circunstâncias como esta, retornaram com segurança e dentro dos parâmetros normais para este tipo de manobra. Em nenhum momento a segurança dos viajantes ou da tripulação esteve em risco.”

A autoridade de aviação civil da Colômbia, a Aero Civil, informou que abriu uma investigação para avaliar o incidente.

Murilo Bassetohttp://www.aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias