Passaredo entra na disputa pelos slots da Avianca em Congonhas

Passaredo ATR-72

De acordo com informações da IstoÉ, a Passaredo Linhas Aéreas protocolou um requerimento no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) em que declara interesse em obter parte dos slots disponíveis no Aeroporto de Congonhas, após a saída da Avianca Brasil.

O presidente da empresa, José Felício Filho declarou ao Grupo Estado que, pela regra atual, a empresa tem o direito a até 50% dos slots deixados vagos, isso por que a empresa seria considerada como uma nova entrante. Essa regra não vale para a Azul, por exemplo, que já opera no aeroporto.

A companhia vem de um processo de recuperação judicial bem sucedido e nesse momento almeja novos investimentos. Operar em Congonhas é considerado pelo executivo como um grande passo para aumentar a penetração da empresa em São Paulo. Atualmente, a companhia opera a partir de Guarulhos.

Para operar em Congonhas, seria necessário um investimento de cerca de R$ 17 milhões, mas geraria imediatamente novos postos de trabalho e o retorno seria dado em pouco tempo. Se aprovada, a Passaredo estima que entra no principal aeroporto doméstico do Brasil em até 90 dias.

Como parte dos planos de expansão, está prevista a chegada de mais três aeronaves ATR72-500 que se somarão aos atuais seis aviões. Os voos diários seriam ampliados de 40 para 60.

Atrasos em pagamentos

Apesar dos planos de expansão, a empresa tem a anos atrasado pagamento de salários por algumas semanas ao mês para os funcionários ativos. Já os funcionários desligados não receberam as verbas devidas.

Nesta semana o Aeroporto de Vitória da Conquista divulgou que a empresa não está repassando as tarifas de embarque e que iria proibir o pouso da mesma no aeroporto.

A aérea afirmou que está negociando a dívida, que segundo fontes também é com diversas empresas tercerizadas de handling no país, obrigando que funcionários do check-in façam carregamento e limpeza das aeronaves.

Carlos Ferreira

É profissional de marketing e pesquisador de temas relacionados à aviação há quase duas décadas. Leva a câmera fotográfica para onde vai e faz mais fotos de aviões do que dos passeios. Responsável pela linha editorial da revista eletrônica AEROIN.net.