Pela 1ª vez em 58 anos, Boeing não consegue encomendas no mês de janeiro

A Boeing não vem tendo muita sorte recentemente quando se trata de pedidos, e, assim, teve seu pior janeiro em relação às vendas de aeronaves em mais de 50 anos. A fabricante americana não registrou qualquer pedido para novos aviões no primeiro mês de 2020.

Avião Boeing 787

A fabricante enfrentou atrasos em seu projeto 777X, além do aterramento do 737 MAX. Como resultado, novos pedidos de aeronaves na empresa têm sido poucos ultimamente. De fato, desde a crise do 737 MAX, a empresa vendeu apenas algumas aeronaves no Dubai Airshow em novembro passado.

Zero pedidos em janeiro

A Boeing garantiu zero pedidos de aeronaves no mês passado. Segundo a Reuters, esta foi a primeira vez que a empresa obteve este resultado ruim em janeiro desde 1962 – 58 anos atrás!

Apesar dos problemas com os dois modelos citados acima, ainda há, é claro, o Boeing 787. No entanto, a maioria das companhias aéreas que deseja aeronaves nesse segmento do Dreamliner está pisando no freio. Tanto que não apenas ele, mas também o Airbus A350, enfrenta redução no ritmo de produção.

Como resultado, chegamos à primeira vez em que a Boeing não vendeu uma única aeronave no mês de janeiro por mais de meio século.

As coisas podem melhorar?

Embora janeiro possa ter sido um fracasso para a Boeing, as coisas podem começar a melhorar. A fabricante americana de aeronaves estava em negociações no início desta semana com a Bamboo Airways sobre um pedido em potencial para o 777X.

Além disso, parece que as coisas vão melhorar também para o 737 MAX. Hoje, no Singapore Airshow, o administrador da FAA, Steve Dickson, revelou que o Boeing 737 MAX está quase pronto para seus primeiros voos de teste a fim de obter a recertificação.

Claramente, ainda há interesse na aeronave, como vimos em alguns pedidos e declarações no ano passado.

No Paris Air Show, o International Airlines Group (IAG) estabeleceu um memorando de entendimento para 200 aeronaves Boeing 737 MAX. Além disso, no Dubai Airshow em novembro do ano passado, a fabricante também fechou alguns pedidos para o MAX, incluindo a Air Astana para sua subsidiária Fly Arystan.

No final de janeiro, foi revelado que a Boeing havia entregado apenas 380 aeronaves em 2019, ante 806 no ano anterior. Simultaneamente, a empresa anunciou seu primeiro prejuízo nos últimos 23 anos.

Ao menos fevereiro não será tão ruim quanto janeiro, já que pelo menos três Boeings 737-800 convertidos em cargueiros foram encomendados no Singapore Airshow.

Murilo Basseto

Formado em Engenharia, foi um dos líderes do Urubus Aerodesign da Unicamp e um dos responsáveis por alçar o grupo à elite mundial da engenharia aeronáutica universitária. Atualmente é Editor-Chefe do AEROIN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.