Início Empresas Aéreas Pela 1ª vez, Airbus A330 da Azul pousa em São José dos...

Pela 1ª vez, Airbus A330 da Azul pousa em São José dos Pinhais, veja por que

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Um Airbus A330 da Azul Linhas Aéreas está fazendo pousos e arremetidas em São José dos Pinhais neste momento, e por um motivo um tanto interessante.

Airbus A330-200 Azul Viracopos

O Airbus A330-200 de matrícula PR-AIZ saiu de Campinas às 09h44 e neste momento está fazendo pousos e arremetendo em seguida no Aeroporto Internacional Afonso Pena, na cidade de São José dos Pinhais, na Grande Curitiba.

O procedimento conhecido como TGL – Tough and Go Landing em inglês – é muito utilizado para treinamento de pilotos, que conseguem treinar sua habilidade nas situações mais críticas do voo: a decolagem e o pouso.

No caso, o voo de hoje não é para simples treinamento: a empresa está sendo certificada para utilizar o sistema de pouso ILS na Categoria 2 e 3, ou simplesmente ILS CAT II e III.

O ILS é o sistema de pouso mais avançado no mundo, utilizando duas ondas de rádio que, quando se convergem, mostram um caminho seguro para o pouso, permitindo inclusive aproximar com visibilidade zero (CAT IIIC). Estas ondas são captadas por instrumentos a bordo da aeronave, que mostram o caminho para a tripulação e também são interpretadas pelo piloto automático da aeronave, que consegue inclusive fazer o pouso sem interferência humana.

Porém, para realizar o pouso nesta categoria de ILS, que permite pousar em praticamente qualquer condição de visibilidade restrita, é necessário certificar antes a companhia aérea e a tripulação, conforme a Azul está fazendo hoje.

Por que São José dos Pinhais (ou Curitiba)

A Azul até hoje não era certificada para ILS CAT III, podendo apenas realizar pousos CAT I, que precisam de no mínimo 700 metros de visibilidade.

O aeródromo que atende Curitiba foi escolhido por ser um aeroporto que possui o ILS CAT IIIA, que permite aproximar com o mínimo de 175 metros de visibilidade na cabeceira e chegando até 50 pés (15 metros) de altura antes de arremeter caso não tenha o visual da pista.

Já o Aeroporto de Viracopos, sede da companhia em Campinas, interior paulista, não conta com ILS CAT II ou CAT III, não sendo possível fazer o voo de certificação lá.

A bordo deste voo de hoje estão, além dos pilotos da Azul (tripulação mínima), os checadores da ANAC e da própria companhia, a fim de acompanhar o processo e aferir a capacidade da empresa.

Após esta certificação a empresa poderá utilizar o ILS CAT II e III em qualquer aeroporto do mundo, reduzindo a chances de desvios por conta de aeroportos com baixa visibilidade, minimizando o impacto para o passageiro.

Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagens pela Avianca Brasil e Azul Linhas Aéreas. #GoBroncos #GoBeach #2A