Início Variedades Piloto desenha um pato no radar durante um voo de 1 hora...

Piloto desenha um pato no radar durante um voo de 1 hora e 40 minutos

Em mais um dos vários casos em que vemos pilotos aproveitando-se dos rastreamentos online de voo para fazer desenhos no trajeto captado pelos radares, a mais recente “obra de arte” foi um pato (ou algo parecido com tal ave).

Conforme histórico da plataforma RadarBox, o voo aconteceu neste último domingo, 19 de setembro, no sul do estado da Flórida, nos Estados Unidos, entre os aeroportos Fort Lauderdale Executive e Immokalee Regional.

A aeronave utilizada na brincadeira do piloto é registrada sob a matrícula N8642U. Segundo dados da Administração Federal de Aviação (FAA), trata-se de um Cessna 150M de propriedade privada e fabricado em 1976, semelhante ao da imagem ilustrativa a seguir, um modelo bastante comum em escolas de pilotagem.

Cessna 150M – Imagem: Andrew E. Cohen / CC BY-NC-ND 2.0, via Flickr

A decolagem de Fort Lauderdale aconteceu às 11h37 da manhã do horário local e o desenho começou a ser feito após cerca de 25 minutos de voo. Todo o trajeto para formar o pato durou aproximadamente 55 minutos, e depois foram mais 20 minutos até o aeroporto de destino.

A aeronave percorrendo o trajeto que formou o pato – Imagem: RadarBox

Para acessar o voo no RadarBox é refazer todo o trajeto percorrido pela aeronave, clique aqui ou busque pela matrícula N8642U no aplicativo ou site da plataforma.

Vale ressaltar que a aeronave não é capaz de efetuar curvas tão agudas quanto aquelas em que formou o bico do pato. Neste caso, trata-se, na verdade, de falha do radar na captação de alguns pontos da trajetória. O registro de outra plataforma, FlightRadar24, mostra o percurso com todos os pontos registrados:

Imagem: FlightRadar24

Até o momento, não são conhecidas informações sobre quem foi o piloto responsável pelo voo ou qual foi a motivação para a ideia de desenhar um pato durante o voo.

Nos títulos a seguir, você pode relembrar outros desenhos feitos por aeronaves nos céus do Brasil e do mundo:

Sair da versão mobile