Piloto voa com jatinho de cabeça para baixo na Venezuela e acaba punido

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Um piloto venezuelano foi punido após fazer uma manobra de rolamento que deixou um jatinho Gulfstream de cabeça para baixo.

O pequeno voo invertido foi realizado num Gulfstream G100 (IAI 1125 Astra) de matrícula YV3427. O jato, pilotado por Marlo René Paredes Pinzón, fez um rolamento, manobra que consiste da aeronave girar em torno do próprio eixo, geralmente proibida em aviões civis não-acrobáticos a menos que aprovada pelo fabricante ou por alguma autorização regulamentar posterior.

A acrobacia aconteceu dias antes do jato sair da pista em Fort Lauderdale, ao norte de Miami na Flórida. O incidente nos EUA foi no dia 24 de abril, e a gravação teria sido feita próxima do dia 13 do mesmo mês. A suspensão das carteiras de Marlo pela INAC (ANAC venezuelana) aconteceu no dia 14.

Segundo o portal Aviation Safety Network, no incidente da Flórida o Gulfstream estava decolando do Aeroporto Executivo de Fort Lauderdale (FXE) quando o piloto puxou os comandos para a aeronave sair do chão, mas ela não respondeu.

Jatinho
Acidente com a aeronave dias depois na Flórida

Após aliviar os comandos, novamente o piloto puxou o manche para que o jato saísse do chão, sem sucesso mais uma vez. Neste momento a aeronave já passava de 130 nós de velocidade (240km/h), acima da velocidade de decisão (V1).

A V1 é uma velocidade determinada para que se possa decidir em prosseguir com a decolagem ou abortá-la, tendo distância suficiente para a parada segura da aeronave antes do limite da pista.

Por estar acima da V1, o jato, mesmo com reverso e freios no máximo, não conseguiu parar e acabou saindo da pista, terminando no gramado do aeroporto. Nenhuma pessoa se feriu neste incidente.

O jato, que ia para Caracas, acabou ficando dias parado no aeroporto após ser retirado por guindastes, desde então não foi mais visto voando. Inclusive, diversos jornais dos Estados Unidos reportaram a suspeita em relação aos verdadeiros donos do jato, indicando que poderia estar em nome de laranjas.

O Gulfstream 100 é o nome dado ao jato IAI 1125 Astra, após a americana Gulfstream comprar a fabricante israelense, iniciando uma história de grande sucesso no mercado de jatos executivos.

Receba as notícias em seu celular, acesse o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Motor PW P&W GTF PW1100G

Nova ferramenta identifica fenômeno antes que ele destrua o motor do...

0
Motores de combustão, como os de aeronaves, permanecem sob risco de danos catastróficos por um fenômeno chamado "oscilações de combustão".